segunda-feira, 14 de julho de 2008

Parque Oeste - redes

Esta imagem não é a que Margarida Saavedra empunhou irritada na reunião de 25 de Junho último, quando acusou o Vereador Sá Fernandes de não ter cumprido a palavra quanto às redes de protecção dos lagos do Parque Oeste. Margarida Saavedra queria uma rede visível e exterior que impedisse o acesso à água. Sá Fernandes respondeu que os lagos tinham redes submersas.

Ninguém tem razão. Apenas um dos lagos, dos quatro existentes, tem rede de protecção. Os técnicos que adoptaram a solução do Badoca Park garantem que quem caia ou se atire ao lago consegue trepar pelas malhas da rede, mas os limos que entretanto cresceram parecem diminuir a eficácia prometida quase ao nível da proposta inestética de Margarida Saavedra.

Em Novembro de 2007, quando Loiky, de 9 anos, faleceu na consequência do afogamento do lago, foram discutidas e propostas inovações no Parque Oeste. Ficou a Vereação dos Espaços Verdes de contactar a Arq. Isabel Aguirre, autora do projecto, para encontrar forma de as concretizar com o seu aval. Isabel Aguirre afirmou publicamente que foi contactada pela CML, mas não ouvira qualquer proposta de alteração do Parque. Se este Verão se repetir algum acidente nos lagos será difícil compreender esta inacção.


Entretanto a 3ª fase leva um atraso visível, apesar do aparente bom ritmo de construção. A obra começou em Maio de 2007, tinha duração prevista de 15 meses, mas falta bastante mais de um mês para o seu final. Este braço do Parque Oeste será fundamental para atenuar os problemas de escoamento que afectam o Lumiar desde sempre, em dias de chuva torrencial. A sua bacia de retenção está preparada para conter essa pluviosidade excessiva, fazendo-a escoar lentamente. Por muitas críticas de concepção que possamos fazer ao Parque Oeste, nomeadamente na falta de diversidade de utilizações do público, há que louvar as preocupações ambientais no aproveitamento dos lençóis freáticos para rega e nos lagos para contenção de cheias.

É provável que depois de concluído, à semelhança do que aconteceu na 1ª fase, se mantenham as redes da obra por uns meses para deixar as vegetação vingar serenamente. Mais um ano para a sua abertura ao público?

13 comentários:

Anónimo disse...

Lá para o Verão de 2009 poderemos ter o usufruto de mais esta parcela de parque na nossa Alta!

Isto se este não for embargado, à semelhança do ocorrido com a 2ª fase do LX Condominio quando a CML, na pessoa do seu Vereador do Urbanismo, decidiu fazer parar o projecto por este colidir com espaços e usufrutos de outros empreendimentos... nomeadamente do novissimo Zen Park, projecto desenvolvido fora do âmbito da Alta, mas decerto dentro dos interesses e cores da actual vereação da CML!

Mr. Steed disse...

quer especificar um pouco mais quais serão esses interesses e cores e partilhar connosco o que se passou na segunda fase do Lx Condomínio?

desconheço por completo a questão e gostaria de saber mais sobre o assunto.

obrigado.

Anónimo disse...

Ainda em relação ao Lx Condomínio, é impressionante como nas zonas já habitadas e de forte movimentação (Av. Helena Vaz da Silva por ex.) foi preciso esperar 3 anos para a instalação de passadeiras e outros equipamentos. No caso do Lx Condomínio, a obra agora embargada ainda estava apenas ao nível das estruturas e já tinha sido construída em toda a sua zona envolvente os arruamentos, iluminação, passadeiras, estacionamento com marcações no pavimento, etc... olhando para aquilo parece aqueles parques da prevenção rodoviária para os miúdos aprenderem as regras de trânsito, tal o nível de sinalização com tudo tão arranjandinnho e com um tapete de alcatrão de 1ª qualidade e q causa inveja a qq zona da Alta. À noite fazem questão de acender toda iluminação nessa zona onde nada existe.... dá ou não vontade de rir ??? Basta passar no Eixo NS para se avistar tudo isto ....estamos ou não estamos no Ruanda ???? a notícia do DN (http://dn.sapo.pt/2008/07/15/sociedade/administracao_interna_esqueceuse_col.html) de hoje relativa à falta de coldres da PSP é a mesma coisa ... compraram-se milhares de glock's para susbstituir as antigas armas da PSP as quais não são usadas vai para 1 ano pq se esqueceram de comprar os coldres para os agentes guardarem o equipamento... há alguém q seja demitido e penalizado por isso ? claro q não ....

Pedro Veiga disse...

Sem dúvida, caro anónimo!
O lançamento do "Zen Park" está muito provavelmente protegido por altas esferas com interesse nos negócios imobiliários. É uma vergonha o que fizeram ao "Lisboa Condomínio" sendo um projecto muito mais antigo e fazendo parte duma área planeada. Aquela área do "Zen Park" deveria ser o prolongamento natural do Parque Oeste que serviria de zona de infiltração das águas da chuva para não aumentar mais os problemas das cheias no Lumiar. Mas quem faz os planos urbanos está-se nas tintas para o ambiente. Enquanto isto do imobiliário a preços de luxo der de comer a muita gente nada se poderá fazer. Ainda vamos ver o "Zen Park" completo antes do "Lisboa Condomínio"...

Mr. Steed disse...

essa história dos coldres é excelente! já a tinha lido e lembrei-me de alguns militares de secretária que conheci...malta capaz de se esquecer de encomendar coldres e de muito mais :)

Quanto ao Zen Park e ao Lx Condomínio merece bem que estejamos todos em cima do que se passa. Quem são os promotores? A SGAL já tomou alguma posição?

Anónimo disse...

Se fizessem mas é locais de convívio para os jovens (instalação para skate; esplanadas)...

Pedro disse...

Por uma vez vou pôr-me a favor do lado contrário...

Não embarquem tão depressa em recriminações sem conhecer os dados todos. No Ruanda estávamos nós até há uns anos atrás quando os promotores faziam os seus prédios em lotes ainda não urbanizados (leia-se: lotes sem acessos alcatroados e sem infra-estruturas - abastecimento de água, gás, telefone e electricidade, drenagem de esgotos) deixando para o futuro (e para a Câmara: desapareciam muito antes da autarquia os obrigar a cumprir o acordado) esse trabalho prioritário.

Hoje em dia é obrigatório para o promotor executar as infra-estruturas antes de construir qualquer edificação a que, aliás, o processo de licenciamento de tudo leva, uma vez que primeiro se procede (procedia: a nova legislação recentemente entrada em vigor permite entregar tudo em simultâneo) ao licenciamento do loteamento e só posteriormente e em processos individuais (que podem ser simultâneos ou não, depende da vontade do promotor e do, existente ou não, processo de venda individual de lotes) ao licenciamento de cada lote/edifício.

No caso presente é o que se verificou - e aí estará alguém da SGAL para me desmentir se assim não foi - com a aprovação do plano de pormenor a permitir o licenciamento do loteamento e só após este a entrega dos projectos para cada lote. Ao promotor - que eu julgo não terá sido a SGAL - coube assim a obrigação de executar as infra-estruturas, rezando - no trato com a CML, "fé" é a palavra chave - para que o processo não levasse anos e as aprovações para os edifícios fossem rápidas.

Não foram atendidos, com os resultados que parecem ridículos, das rotundas pintadas no meio do mato que entretanto se desenvolveu freneticamente e dos parqueamentos que já se encheram de ervas-daninhas, crescidas insidiosamente por entre as pedras do pavimento que deve ter custado balúrdios.

Quanto ao LX condomínio, esperemos que as reuniões da comissão de acompanhamento anunciadas pela SGAL efectivamente se realizem e efectivamente sirvam para alguma coisa.

Anónimo disse...

Preocupa-me o facto de haver tanta água estagnada... Será que os Habitantes da Alta de Lisboa terão (num futuro...) vacinar-se contra a picada de mosquito e melgas...? é que a málaria ataca e ainda não há cura...

É DEVERAS PREOCUPANTE COM A QUANTIDADE DE LIXO E DE ÁGUAS ESTAGNADAS NINGUÉM AINDA TER PENSADO NISTO, CREIO!!!

Anónimo disse...

Esqueci-me... sou enfermeira e trabalhei no centro de saúde da ALTA DE LISBOA!

Pedro disse...

Pois... malária em Portugal ainda ninguém tinha pensado nisso, não.
E dengue! No dengue também vale a pena pensar.

Mr. Steed disse...

era suposto a água estar assim, tipo filme do Manuel de Oliveira?

Pedro disse...

Ah, isso é um deslize freudiano caro BBC Steed, toda a gente sabe que, nos filmes do nosso LH Oliveira as águas correm fundo, por debaixo da superfície tipo represa do Parque Oeste. Tsk, tsk, tsk...

Quanto ao dito - aos ditos - o projecto até é bastante completo, foi criada uma instalação manueloliveirana para circulação de água, anti-estagnação.

O problema é a estagnação da CML que aparenta continuar a não cuidaaaaaar! da manutenção da dita.

Noto que a estagnada anterior vereação já foi deposta em eleições há mais de um ano. (Pronto, pronto, o novo vereador só teve delegação de poderes em Setembro, são só 10 meses de funções. E sim, até Janeiro teve o orçamenteo anterior, afinal são só 7 meses. Ah, e houve os sábados, domingos e feriados republicanos, dá só 4 meses e tal. Pois é, é pouco tempo para recuperar tanta coisa).

Senhores do Gabinete do senhor Vereador: quando é que "isto" fica em condições? Estamos em plena época de banhos!

Anónimo disse...

Não se arranjará no "Zen" um T4 para duas familias ciganas de Loures? Só pelo gosto da integração...
Já o charco verde do Parque Oeste apenas serve para condizer com um terceiro mundismo da Alta de Lisboa. Os canteiros das árvores estão repletos de matagal, há ruas absolutamente nojentas e cheias de lixo (Cardoso Pires é um exemplo), a fachada do bloco PER dos Condominios da Torres na Cardoso Pires parece um país do terceiro mundo, com estendais improvisados, casotas para animais, ferro velho....
Ai SGAL, SGAL, isto está bonito está...