quarta-feira, 9 de janeiro de 2008

Ligação do Campo Grande à 2ª circular

Aqui de cima vê-se no canto superior esquerdo o estádio do eterno rival do Benfica, logo abaixo e até ao canto superior direito, onde se encontra uma espécie de bússola com os pontos cardeais alinhados à esquadria com a imagem, percorre a Av. Marechal Craveiro Lopes, mais conhecidoa por 2ª circular. No canto inferior esquerdo temos a Cidade Universitária, com a Alameda da Reitoria a atravessar o grandioso Jardim do Campo Grande pela Avenida do Brasil. Nesta, seguindo para nordeste, encontra-se à direita o Bairro de Alvalade (no canto inferior direito da imagem) e à esquerda três lotes de terreno com aspectos e funções distintas: um baldio, o Hospital Júlio de Matos, e o Laboratório Nacional de Engenharia Civil.

Diz-se há muito, que havia planos para fazer passar neste baldio uma estrada que ligasse o Campo Grande à Av. Marechal Craveiro Lopes, mais conhecido por 2ª circular. Um projecto que obviamente seria acompanhado por uma operação urbanística que compusesse a malha. A este momento alguns dirão novamente: "Mas que te isto a ver com a Alta de Lisboa? Não é este blog apenas e só sobre o bairro a que se refere no título?". Corroborando um argumento desde sempre apresentado neste blog, de que a Alta de Lisboa só crescerá saudável se souber ler a restante cidade para melhor se lhe ligar, juntamos aqui mais uma nota que deve estar por certo em cima da mesa do Sr. Vereador do Urbanismo, Arqº Manuel Salgado.


Criar esta ligação têm inúmeras vantagens:

1- Resolve o enorme problema de escoamento automóvel da ligação do Campo Grande à 2ª circular.

2- Para a ligação à 2ª circular, não precisa de se preocupar com a engenharia necessária. Encontrará na SGAL e UPAL os projectos mais do que aprovados para a famosa Porta Sul. Um enorme nó rodoviário que pretende ser muito mais do isso, com ligações pedonais, ciclovias, e espaço previsto também para edifícios de serviços. Este nó fará também a ligação à Av. Santos e Castro e ao Eixo Central que atravessará a Alta de Lisboa.

3- E quem paga as obras deste nó? A SGAL, em nome do contrato inominado que fez com a CML para criar o projecto da Alta de Lisboa.

4- E para que serve a Av. Santos e Castro com 90% do troço concluído, esperando apenas e só que a CML cumpra a palavra dada há anos? Para nada. Estando concluída, aliviará a 2ª circular de muito do trânsito do interior da Cidade que pretende seguir para a A1. A Av. Santos e Castro ligará a 2ª circular ao Eixo Norte-Sul.

5- Requalificará um enorme lote de terreno, com uma valorização urbanística enorme, que poderá fazer amealhar para os cofres falidos da edilidade lisboeta uma quantia preciosa para aplicar na manutenção e melhoramento da Cidade de Lisboa.

6- Retirará muitos automóveis do Campo Grande, melhorando substancialmente a qualidade do ar e devolvendo ao Jardim uma fruição mais agradável.

Aqui ficam umas imagens deste terreno baldio:












41 comentários:

Anónimo disse...

Eu gostava mt que esta ligação fosse efectuada.

Tenho no entanto uma duvida e gostaria que fosse aqui discutida.

Seria um sentido só ???

É que o cruzamento na grande alameda do Campo Grande é no sentido sul-norte.

Anónimo disse...

Para além dos normais atrasos nos processos da CML e das eternas desculpas com as dificuldades financeiras da mesma, creio haverem outros "valores" que se levantam para que propositadamente sejam atrasados os investimentos e obras que, quase todos, julgam necessários para determinados pontos da cidade.

Organizando ideias:
- A Alta de Lisboa deveria ter o seu principal ponto de ligação com a Cidade de Lisboa na sua famosa "Porta Sul" - o tal prolongamento das Avenidas Novas, nomeadamente a Av.Roma.
- Repare-se, no entanto, numa situação: a Av. Roma tem, neste seu percurso "natural" um "tampão" - o Hospital Júlio de Matos.
- Não se vê que os habituais atrasos nos processos poderão vir a ajudar numa "big picture" pensada por algum iluminado, no sentido de dotar aquela área de mais empreendimentos?

Que outra razão haverá para se manter aquele baldio hã tanto tempo? Decerto não sara' só para deixar minar de barracas e depois cederem-se casas ao desbarato!

- Para a CML e para a normal miopia dos autarcas que so pensam no prazo de validade dos seus mandatos, a Alta esta' a ser o que dela se esperava... um "flop"... no sentido em que so' trás receitas e votos a um prazo mais longo. Dai' a "deixar andar" e culpar outros por atrasos vai um passo.

Esperemos e' q os "outros" não deixem cair também a Alta... No final e' apenas uma questão de números e ganhos... e se não os há...

- Quanto não estarão a pensar o quanto mais valeria ter deixado a Alta como estava e ter licenciado os terrenos por blocos mais pequenos, por forma a que aos maiores ganhos não viessem agregados tantos custos de requalificação?

Longe de mim ser e estar pessimista em relação a Alta. Mas encontramo-nos na encruzilhada referida pela própria SGAL no seu site... mais do que um esclarecer de responsabilidades, tal desabafo parece-me o avisar de que sem rendimentos, poderão estar contados alguns dos projectos contemplados no plano geral da Alta.

Pedro Veiga disse...

A Alta é um arquipélago habitacional. A Alta está separada fisicamente do Lumiar e da Ameixoeira (barreiras oeste e sudoeste), de Alvalade (barreira sul), dos Olivais (barreira leste) e, por fim, do concelho de Loures (barreira norte).
É difícil fazer nascer uma nova cidade quando esta está rodeada de barreiras ao seu desenvolvimento.
Fica aqui a máxima: tão perto e tão longe. Até quando?

rui disse...

eu ia deixar a pergunta, mas já vi que o 1º comentário pergunta o mesmo. mas já agora, se a ligação se fizesse como é mostrado a vermelho, é óbvio que só faz sentido com 2 sentidos. teria de se fazer um nó por cima do jardim do campo grande, o que poderá parecer uma aberração mas poderá(ia) não ser assim tanto, bastando para isso que se aproveitasse o espaço em que o mesmo jardim é cortado pela ligação av. brasil-alameda alargando um pouco essa ligação e assim, talvez com uns tuneis, a coisa pudesse ser viável. teriam era de demolir alguns prédios do campo grnde, o que me parece que seria pisar em alguns "ricos" calos que não iriam gostar muito da ideia... digo eu...

Anónimo disse...

Seria excelente criar aqui um corredor verde que permitesse o passeio a pe ou de bicicleta e a ligacao entre o Parque Sul e o Campo Grande. Ja imaginaram um passeio de bicicleta Parque Oeste, Conchas/Lilazes, Parque Sul, corredor verde, campo grande. Penso que seria possivel compatibilizar este corredor verde com uma solucao rodoviaria e urbanistica. E importante "coser" a Alta com a malha da cidade.
A saida do Aeroporto da Portela e uma enorme oportunidade. O relatorio do LNEC esta pronto e a decisao estara iminente. Tanto me faz se for Ota ou Alcochete. Qualquer coisa menos Portela + 1. E importante devolver este espaco a cidade, permitindo a ligacao entre a Alta e a zona dos Olivais/Expo.
PD

Anónimo disse...

Tiago,
A ideia não é boa, é excelente. E está subjacente ao Projecto Alta de Lisboa, desde a 1.ª Hora. O Arq. Eduardo Leira, autor do plano de Urbanização, tem defendido esta ligação e a requalificação desta zona de oportunidade para a cidade, que vai da Av. Brasil /Campo Grande até à Porta Sul, desde sempre. Continua a defende-la com "unhas e dentes". O executivo anterior decidiu primeiro avançar com o projecto da Porta Sul estudando-o de forma a que esta solução não fosse comprometida. Foi o que aconteceu.
E estão estudos e estudos e o projecto da Porta Sul prontos à espera que alguém "decida" avançar.
Eu diria que sem essa ligação o projecto Alta de Lisboa, nunca será o que pode ser. O projecto foi pensado e bem pensado como um todo - Vias, malhas urbanas, unidades de planeamento e gestão (UPG), parques urbanos. O PUAL tem muitos documentos, que não apenas o Regulamento que se conhece. Por exemplo, a Porta Sul, as vias principais, os parques urbanos têm um detalhe grande nos vários documentos que fazem parte integrante do PUAL (que tem sido respeitados) e são garantia de segurança e bom planeamento urbanístico.
Todos se queixam que não há planeamento (noeadamente urbanistico) em Portugal. Ora, se há sitio onde houve esse planeamento é no Alto do Lumiar. Foram anos de reuniões com todos os serviços da CML, até se chegar ao actual PUAL. E no caso da Porta Sul ao fim de muitos anos de projectos e projectos (enterrar, ou não, a 2.ª Circular, com quantas vias, com semáforos ou não....) ficou pronto e aprovado em 2005 um projecto final. Entretanto, foi desenvolvido o projecto de execução e lançado um concurso para escolha da empresa construtora. Que foi escolhida. Falta começar…
Bom e mais duas ou três coisas que se descobrem apenas quando está tudo pronto a avançar…
Nesse projecto está prevista, claro, a ligação pedonal e através de ciclovia ao Eixo Central e neste está previsto o mesmo o que permitirá ligar (articulando com o projecto de ciclovias desenvolvido pela UPAL/SGAL e com o Eixo Pedonal) 3 Zonas Verdes Fulcrais para cidade de Lisboa: Campo Grande, Quinta das Conchas e Parque Oeste.
Está pronto, é rápido e até tem forma de ser financiado...
Aposto que o Vereador dos Espaços Verdes não sabe isto! Nem quer saber...
É pena.
Quanto ao Vereador do Urbanismo, conhece o projecto da Porta Sul e a ligação ao Campo Grande...
A ligação do Campo Grande (onde quer que seja, pois havia uma solução que implicava demolir o edificio do World Trade Center...o que apesar do nome não seria nada de extraordinário numa cidade com visão) é vital para a Alta de Lisboa e permitirá criar uma zona de oportunidade e requalificação urbana em Lisboa dificil de encontrar.
Pelos vistos andam todos distraidos, ainda bem que o Viver não.
Um abraço do
Carlos

candidato disse...

Parece-me que quando se fala em separação física do Alto do Lumiar, se estará a alvitrar a possibilidade da criação da Junta de Freguesia do Alto do Lumiar. Será?

Anónimo disse...

Carlos,
O seu comentario e muito interessante e esclarecedor. Mas, ja agora, tambem era bom ter esses projectos e documentos do PUAL no dominio publico. Permitiria uma discussao publica efectiva.

Tambem noto um certo desencanto com o vereador dos espacos verdes. E interessante afirmar que ele nao quer saber das ligacoes pedonais/ciclovias entre a Alta e o Campo Grande, quando, na campanha eleitoral e mais recentemente, ele apareceu na comunicacao social como O grande defensor deste tipo de projectos para Lisboa. Se calhar ele quer este tipo de projectos em Lisboa mas nao na Alta...
PD

saloio disse...

A criação da Freguesia do Alto do Lumiar, na zona de influência do PUAL, terá alguma viabilidade?

Pedro disse...

A criação de uma freguesia com os limites definidos no PUAL seria um disparate sem sentido já que iria cortar pelo meio, por exemplo, a Alameda das Linhas de Torres ou separar em duas freguesias uma área homogénea como a do centro do Lumiar - que espécie de lógica justificaria que o Largo Rep. da Turquia fosse gerido por uma entidade diferente dos prédios do lado poente da Alameda onde está a CGD e o Centro de Saúde do Lumiar?

Dito isto, concordo com a divisão da freguesia do Lumiar em zonas mais pequenas no âmbito da revisão de todas as freguesias da cidade. É de uma total irracionalidade administrativa e de gestão da cidade ter freguesias com menos de 500 eleitores e outras com algumas dezenas de milhar.

Em que termos se processaria essa divisão? Telheiras - pela sua configuração "estanque" em termos de vias rápidas, pela homogeneidade temporal da sua criação, pela unidade urbanistica (apesar de alguns acrescentos habitacionais tardios mais motivados pela necessidade de realização de mais-valias do que por razões urbanisticas) - é um candidato óbvio à autonomia face ao Lumiar mãe. O Alto do Lumiar, pelas mesmas razões, também o poderia ser... Mas onde fixar as fronteiras? Provavelmente a melhor solução seria proceder à divisão a partir da linha definida pelo limite nascente da Quinta das Conchas (mantendo-se esta no Lumiar), Bairro da Cruz Vermelha, limite poente do Parque Oeste, inflectindo por trás da colina de S. Gonçalo, direito ao aeroporto, descendo até à 2ª circular e fechando o perímetro junto ao colégio de s. tomás. Quase a totalidade da área até agora intervencionada em termos de novas construções, em coerencia com o defendido para Telheiras.

Anónimo disse...

O redesenho das freguesias é crucial para o bom desenvolvimento das mesmas.
O problema é adiarmos as coisas q não dão votos e q dão mts dores de cabeça.
Penso q ainda não será para este ciclo politico.
Infelizmente, o problema é nacional.

canoa do tejo disse...

E o que dizer da capacidade de organização e espírito de iniciativa das pessoas envolvidas na criação da Freguesia do Oriente, na zona do Parque das Nações?

padrinho disse...

A criação de um concelho abrangendo as freguesias de Carnide, Lumiar, Ameixoeira, Charneca, Santa Maria dos Olivais e Moscavide, tornaria Lisboa mais governável. Este novo aglomerado populacional somaria 115984* eleitores.

*Dados relativos a 2007.

Anónimo disse...

PEDRO À PRESIDÊNCIA!!!

Demite-te de administrador de conmdomínio e alista-te...

ehehehe!!!

marujo disse...

Com uma população superior a 100000 eleitores, justifica-se plenamente a criação desse novo concelho.

Anónimo disse...

Sim, seria fantástico... com o presidente da xunta do lumiar a ascender a presidente de câmara...

Anónimo disse...

Aeroporto em Alcochete. Boas noticias para a Alta.

Anónimo disse...

O Lumiar já tem condições para ser cidade.

Anónimo disse...

vamos pedir a independência!

Anónimo disse...

Novo aeroporto 2008-01-10 16:27
Carmona satisfeito com decisão e defende Portela como aeroporto de cidade

O vereador da Câmara de Lisboa e antigo ministro das Obras Públicas, Carmona Rodrigues, congratulou-se com a localização do novo aeroporto em Alcochete e defendeu a manutenção da Portela como um aeroporto de cidade.

Susana Teodoro

De acordo com a agência Lusa, Carmona Rodrigues afirmou aos jornalistas que "é uma boa decisão para os interesses do país e para os interesses da cidade de Lisboa", aplaudindo igualmente a decisão de construção de uma ponte rodo-ferroviária entre Chelas e Barreiro, que afirma necessária para a alta velocidade.

O mesmo responsável anunciou ainda que está a preparar a apresentação de uma proposta para a transformação da Portela num "aeroporto de cidade" para voos com duração até quatro horas, o que considera ser "totalmente possível e desejável", salientando que tal iniciativa implica que a pista principal do eroporto da Portela tenha um 'taxi way' do mesmo comprimento.

O 'taxi way', explicou Carmona, é "um caminho paralelo para os aviões se perfilarem para levantar ou para estacionarem depois de aterrarem" que, segundo o vereador, é possível expandir para os terrenos do aeroporto militar de Figo Maduro.

Anónimo disse...

Carmona, faz o "taxi way" na tua casa. Para a Portela um grande parque e avenidas largas. que liguem 'a Alta e ao resto da cidade.

aeromoça disse...

A cidade do Lumiar fica com mais espaço para crescer com a deslocalização do aeroporto da Portela.

Anónimo disse...

Carmona para a rua. taxi way na ota. Para a portela um grande parque e avenidas largas.
Fazer um Parque verde equivalente ao Central Park ou Hyde Park dar-lhe-a mais votos que um taxiway
ana

Anónimo disse...

A saída do aeroporto do actual local, não sendo prejudicial, não é 100% benéfico para a Alta.

Vejamos... alguém acredita que um espaço tão grande como aquele terá como utilização futura a construção de um enorme parque verde?
No mínimo utópico!

O mais realista será, depois de 2020, aparecer um novo projecto de urbanização... uma nova Alta de Lisboa.
Esperemos que esse plano, seguramente já na cabeça de muitos, não venha a implicar o afastamento definitivo dos investimentos e empreendimentos pensados para a Alta...

Anónimo disse...

É uma grande oportunidade para criar a nova cidade do Lumiar.

Anónimo disse...

Aeroportos:
As decisões são tomadas por pressões. É assim a política. Talvez se saiba um dia quem e quando começou a comprar terrenos em volta de Alcochete.
Portela? Nunca será um parque. É preocupante e fácil de prever onde se vai "desinvestir" para investir na grande (no sentido aqui-sim-se-deve-comprar-para-viver-Lisboa!)urbanização que está já obviamente negociada para aí.
Que outras novas urbanizações foram começadas em Lisboa?
O fim da Portela é um presente envenenado para a Alta

Anónimo disse...

A eventual desactivacao do aeroporto na Portela, com o fim da poluicao ambiental e sonora dos avioes, sera um optimo acontecimento para Lisboa, independemente dos projectos futuros para a aqueles terrenos.

O parque verde nao ocupara a totalidade dos terrenos e e claro que se esperam novas urbanizacoes. Mas uma zona verde que ligue as ja existentes (Oeste, Conchas e o futuro parque sul), funcionando como zona de proteccao a 2 circular, seria um optimo parque.

Existem alguns projectos na net que foram feitos para a trienal de arquitectura (http://arquitectura.pt/forum/f10/arquitectos-prop-solu-es-a-portela-depois-do-aeroporto-6634.html). Talvez o VIver possa fazer um post...
PD

Anónimo disse...

http://jardinandosemparar.blogspot.com/2007/05/aero-linking-park.html

Anónimo disse...

A Futura cidade do Lumiar é cada vez mais uma realidade.

Anónimo disse...

ahahahahah!!!!

Comentários cheios de aromas útopicos!!!

Anónimo disse...

Mas que historia e esta da cidade do Lumiar. Querem criar mais burocracia? fazer crescer a funcao publica? acentuar bairrismos?!
que coisa incrivel!
Em vez de andarmos para a frente ...
ana

Anónimo disse...

Queremos fazer crescer o sentimento de pertença. Queremos e temos o direito de ser cidade, simplesmente poque o Lumiar tem espaço e ambiciona ser um lugar de referência. O Lumiar será uma cidade com futuro.

Pedro

Anónimo disse...

Mas Pedro nos ja temos um grande sentimento de pertenca. Nao achas que pertencer ao Lumiar e o equivalente a pertencer a um grao de areia?

Lisboa e uma cidade tao pequenina!
ana

Anónimo disse...

Mas Ana não te sintas assim tão insignificante, tu sabes bem a quem pertences. Não achas que no Lumiar cabem muitos grãos de areia?

O Lumiar não é o deserto!
Pedro

Anónimo disse...

Claro que nao. O Lumiar e um sitio magnifico, com uma historia riquissima.
A questao e: Sera que quero que os meus impostos sejam gastos em mais um presidente da camara, carros, secretarios,...?

Eu quero rentabilizar aquilo que ja existe e tenho.
Eu pertenco ao Planeta Terra, a Europa, a Portugal, a Lisboa, a barriga da minha mae.
Esses sao os graos de areia a que me refiro!
Ou sera que devia ter utilizado a expressao grao de po de estrela?

Anónimo disse...

Porque e que acabamos a discutir sobre a discussao e nao sobre a questao em debate?
ana

Anónimo disse...

Mas Ana, se falas em história sabes bem que o Lumiar sempre foi o Termo de Lisboa. Assim, o Lumiar sempre foi considerado como exterior a Lisboa. Os relatos históricos assim se referem ao Lumiar, como sendo um lugar de passagem, de entrada em Lisboa.
O Lumiar tal como hoje o conhecemos, merece a elevação a cidade, seria a melhor maneira de honrar o passado desta terra e das suas gentes. O Lumiar merece essa distinção.
Pedro

Anónimo disse...

Pedro vou desistir.
Nao concordo contigo.
Em democracia e assim. Ficamos cada um com a nossa.

Olha, sabes onde fica o mercado das galinheiras?
estive a ver no google maps, e acho dificil ainda se fazer o mercado no lugar original. Tens mais alguma informacao?

Anónimo disse...

As feiras, mercados e as romarias são tradições muito antigas, um pouco por todo o país.

Olha Ana, nunca desistas, mesmo que discordem de ti.

No entanto digo-te que me entristece, não concordares com a elevação do Lumiar a cidade.

Anónimo disse...

Pois sao, mas o mercado das galinheiras desapareceu? ou ainda esta la no mesmo sitio?
agora em tom de brincadeira:
sabes que so as mulheres (hillary) e que ganham votos com uma lagrima no cantinho do olho!

Anónimo disse...

Agora que se prevê a deslocalização do aeroporto da Portela, o Lumiar fica com bastante espaço para crescer. O Lumiar irá tornar-se uma das cidades mais importantes do país.
A cidade do Lumiar é a cidade do século XXI.