sábado, 22 de setembro de 2007

Os Mais Belos Hinos do Mundo - fascículo 2


Como prometido na semana passada, damos hoje seguimento à rubrica Os Mais Belos Hinos do Mundo com a Portuguesa de Alfredo Keil entoada pela Selecção Nacional de Rugby. Uma versão não tão cuidada vocalmente com a do Coro Gulbenkian, que chegou a ser proposta por uma leitora, mas, de tão sentida que é, capaz de provocar um nozinho na garganta ao mais viril chefe de família.



Aproveitando a temática musical, o Viver na Alta de Lisboa divulga aos seu querido público, por sugestão da Mafalda Borges, o X Festival de Orgão de Lisboa, com inúmeros concertos do mais elevado interesse artístico. Desde ontem até dia 9 de Outubro, a não perder!

7 comentários:

Pedro Veiga disse...

Os atletas fazem um grande esforço para cantarem afinados. Nisso estão de parabéns! Para jogadores de râguebi estão muito bem!

Meow disse...

E então o concerto de encerramento do Festival, no dia 9 de Outubro, vale bem a pena! Grupo vocal Officium, Capela Real e Rui Paiva com obras de Buxtehude.

Joana disse...

Com o próximo fascículo sai o livro com todas as letras, encadernado a ouro?

Anónimo disse...

Pode haver quem aprecie a forma e o estilo mas:
O Hino Nacional canta-se em sentido.
Rui

Anónimo disse...

A emoção também tem sentido...

Rodrigues disse...

;) Ai, ai... Os erros do costume:"igrégios" em vez de "egrégios e "...que hão-de guiar-te" em vez de "... que há-de guiar-te".

Estás a ver, Tiago? O Coro Gulbenkian é que era... ;)

susana disse...

Caramba que até me arrepiei toda e fiquei com os olhos húmidos...

No entanto pareceu-me que o som não correspondia aos actores e que a música era cantada por um grupo de homens não portugueses...

Enfim, no fundo gostei mesmo muito.