sábado, 15 de setembro de 2007

Os Mais Belos Hinos do Mundo - fascículo 1

Na senda da feroz concorrência entre pasquins diários e semanários que contemplaa os felizes leitores com dvd’s, cd’s, livros, colecções de bonecas de cerâmica em miniatura e serviços de chá peça a peça, lança o Viver uma rubrica semanal a editar aos Sábados, dia fraquinho de afluência de leitores [os dias fortes são de 2ª a 6ª, no horário de expediente].

Assim, temos o prazer e a enorme honra de lançar hoje o fascículo primeiro de

Os Mais Belos Hinos do Mundo

começando pelo glorioso hino da União das Repúblicas Socialista Soviéticas, URSS, agora também da Rússia, mas com outro texto, cantado pelo magnífico Coro do Exército Vermelho.







No próximo Sábado, não perca o hino da República Portuguesa entoado pela Selecção Nacional Portuguesa de Rugby!

21 comentários:

Anónimo disse...

Adoro! :')

Anónimo disse...

Mas que propaganda deplorável... afinal que treta o Tiago saiu-me ca um kumuna...

Anónimo disse...

viva a democracia!

espero que saibam que a cdu/pcp/verdes...
se podessem acabavam com isto tudo

Anónimo disse...

è Favor de não politicar o site.Pretende-se que seja o mais simples possivel.

Anónimo disse...

Concordo.O site deve só abordar assuntos da Alta e os seus probelemas.

Anónimo disse...

Muito bom Tiago
Fez-me momentaneamente retroceder àqueles encontros de 74 a 78 na Alameda D.Afonso Henriques com presenças culturais fortíssimas soviéticas, fortíssimamente empenhadas em fazer propaganda e onde o Hino era sempre tocado.
Será bom que as mentes evoluídas se abstraiam da conotação politica e dos complexos que a alguns poderão ocasionar determinadas expressões do género e não reneguem a história.ela é muito próxima de nós. Interiorizem a pureza, a força, a enorme classe das vozes e dos instrumentos da orquestra e por fim não desprezem o enorme conteúdo histórico da Rússia.
Esta versão na minha modesta apreciação e valorizando sempre a melhor opinião contrária é simplesmente ESPLÊNDIDA.
Venham os próximos.
Rui

Ana B. disse...

Até me arrepio... É um hino fabuloso! E não acredito que, independentemente da ideologia de cada um, haja alguém a quem isto não toque. A não ser que seja muito duro de ouvido ou de coração.
Eu gosto muito. Será que também sou comunista por isso?

Venha «A Portuguesa» no próximo sábado!

pedro sky disse...

O que é que o hino de este ou aquele país tem a ver com a Alta de Lisboa?
Será que os promotores do blog não percebem que estes posts (inuteis) só descredibilizam o blog? E lhe retiram identidade?

Anónimo disse...

O say, can you see, by the dawn’s early light,
What so proudly we hailed at the twilight's last gleaming,
Whose broad stripes and bright stars, through the perilous fight,
O’er the ramparts we watched, were so gallantly streaming?
And the rockets’ red glare, the bombs bursting in air,
Gave proof through the night that our flag was still there.
O say, does that star spangled banner yet wave
O’er the land of the free, and the home of the brave?

Pedro disse...

Mas nada tem a ver com a Alta de Lisboa para além dos generosos umbigos dos moradores nos prédios de venda livre!
Não é?
O que é que a cultura do mundo tem a ver connosco?
O que é que a política tem a ver connosco?
O que é que a crise dos empréstimos de alto risco nos Estados Unidos da América tem a ver connosco? (É pá, pera lá, este até é capaz de ter...)
Talvez tenha chegado o tempo deste blog actualizar o seu nome para CONViver na Alta de Lisboa. É possível que as coisas fiquem mais simples de entender para alguns.

Anónimo disse...

É a diferença entre ver e olhar, escutar e ouvir...que al arranjar os hinos do Alargamnto? Devem ser novos em folha, seria interessante..E Timor...

Rodrigues disse...

Excelente resposta, Pedro! :)

Tiago, o Coro Gulbenkian gravou o hino há uns tempos... ;) Pergunta aí em casa à C. - ela é capaz de saber o que foi feito dessa gravação...

Joana disse...

Olhem, além do hino, gostei da proposta de alteração de nome do Pedro.

Joana disse...

E não percebi se estavas a falar a sério sobre colocar a Portuguesa interpretada pelos Lobos. É que estive a ver no YouTube e até eu que sou dura de ouvido percebi as fífias todas. Mas eles merecem!

Quem quiser ver o histórico ensaio contra os lendários All Black, está aqui: http://www.youtube.com/watch?v=P-HQmgeZIKM&mode=related&search=

Anónimo disse...

Caros Pedro e Tiago,
É mais que legítimo que cada um escreva sobre o que lhe der na real gana. Desde que tenha talento, certamente terá audiência. Há muitos exemplos disso mesmo. O que não é honesto é atrair "clientela" ao engano e impingir-lhe assuntos que nada têm a ver com o tema central. Certamente que a generalidade das pessoas que aqui vêm se está nas tintas para as vossas dissertações de índole cultural e ideológica, e não lhes atribui o mesmo valor que vocês, que estão manifestamente convencidos de que o que fazem é serviço público...
O que as pessoas que aqui vêm (à procura de informação, de partilhar problemas ou soluções para eles) gostavam de perceber, é a causa deste abrandamento de agressividade e atenção relativamente aos problemas que existem, e do abrandamento de pressão sobre a SGAL e a UPAL. Ou será que de repente tudo ficou bem e, à falta de assunto, escreve-se sobre tretas?
Eu prefiro pensar que é o vosso deslumbramento com a afluência significativa que este espaço provocou, juntamente com um grande auto-convencimento e uma vocação frustrada para articulistas culturais, que está por trás destes desvios ao tema. Outros, com mentes mais maliciosas e dadas à teoria da conspiração, ou quiçá mais informados, fazem outras conjecturas...

Eu vinha aqui tentar perceber se existia informação recente sobre assuntos que me preocupam, como a falta de vigilância que de há alguns tempos para cá se nota no Parque Oeste, que está a ser lenta mas sistematicamente devassado por bandos de miúdos, ou sobre a eventualidade de existir alguma solução para o problema que vai ser a abertura do nó do eixo Norte-Sul sem soluções a jusante para o escoamento do tráfego, que a não existirem, provocarão os encravanços a que já assistimos no Verão de 2006, etc...
Em vez disso, assisto novamente a dissertações sobre temas descontextualizados, às correspondentes queixas das pessoas que vêm ao engano, e às habituais investidas dos bloguistas sobre este últimos, coitados, que não têm pedalada intelectual nem abertura de espírito para os acompanhar, são egoístas, fachos e pouco dados às coisas do mente e da esquerda caviar, além de que são uns ingratos por não agarrarem com as duas mãos tão preciosa dádiva... Presunção e água benta...

Anónimo disse...

Para além dos aspectos referidos neste último post, e em resposta aos "mesmos de sempre" relembro que "...o hino que até provoca arrepios.." ficará sempre ligado à morte de milhões de pessoas na União Soviética, pela asfixia democrática espalhada em todo o Bloco de Leste durante várias décadas e pelas ditaduras repressivas que existiram. É isto q representa este hino meus amigos!!! melhor que isto só se de repente colocarem o hino do III Reich, que podem aliás dizer q tb. é muito bonito e que arrepia os pelos das pernas.... a este propósito (esquerda de caviar) o MST escreve uma crónica bastante elucidativa no Expresso desta semana, subordinado ao tema da polémica com a eventual crição de uma Chinatown. Para o BE e CDU, a Zezinha é xenófoba, racista e personifica o diabo mas esquecem-se que os trabalhadores dessas lojas são escravizados, trabalham 7 dias por semana 12 horas por dia, são mal remunerados e pior q isso os trabalhadores que produzem esses artigos na China são sujeitos a dumping social e recebem uma "malga" de arroz de salário !!! e para esta gente isso já não é problema, certo ? afinal basta que a RP China tenha a designação de Comunista para ser abençoada pelo BE e CDU :)) O curioso disto tudo é q a própria comunidade chinesa e Ass. comercial apoiam de braços abertos a criação da referida Chinatown, e esta, hem ???

Joana disse...

Caro anónimo,

Sente-se, então, enganado e acha o blog um embuste? Sem a mínima ponta de ironia e sem estar a ser malcriada (por favor não me leia assim), penso que a solução é apenas ler o que lhe interessa. Eu própria que colaboro no blog (ainda q não seja muito prolífera em posts) encontro aqui assuntos q me interessam mais, outros menos, e há por vezes posts que não leio ou leio apenas de viés. Isso é natural. Acontece com todos os blogs.

É por essas razões q existem programas de RSS (o Google tem estas ferramentas) e se indexam blogs que habitualmente nos interessam, para não se perder tempo a ver se há actualizações, ou actualizações de interesse, em todo o lado. Porque, é verdade, perde-se tempo e nem sempre obtemos frutos. Com o RSS o post chega até si, vê se lhe interessa pelo título, e se não interessar carrega no delete.

Em relação aos temas abordados acho, sinceramente, um pouco de abuso obrigar o blog a cingir-se aos temas que propõe. Os interesses das pessoas mudam e quem criou o blog tem direito de escrever sobre o que bem lhe entender, não existem vínculos contratuais. Quem se sente assim *tão* enganado que não tolere uns posts diletantes aqui e ali pode sempre não voltar. E isto não é enxotar ninguém, pessoalmente tenho mto gosto que aqui venham, tenho a certeza que o Tiago tb, mas sem obrigações de parte a parte.

E, sobre não haver assunto, acho q está enganado. Houve férias e tempos mais parados mas desde a rentrée a 5 de setembro, houve 10 posts: um de "regresso", um sobre música,7 sobre temas directamente ligados à Alta e um sobre soluções para ciclar na cidade q, não sendo directamente relacionado com a Alta, está relacionado com a cidade no geral e foi, além disso, motivado pela contribuição de um leitor, logo evidencia de interesse para mais pessoas além de quem escreve.

Penso também que, sejamos justos, a informação palpável que anseia e que vai sendo veiculada tem sido cada vez mais fidedigna e apoiada até de documentos além das "bocas" ou do "ouvi dizer" que é natural que também se abordem por aqui. E isto é fruto unica e exclusivamente do Tiago e ao seu trabalho de campo.

Não concorda?

Anónimo disse...

Existem novidades em relação a novos lançamentos de empreendimentos ?

O ursinho SGAL está a hibernar à muito tempo.

Neste domingo passei em frente ao LX e realmente nem acredito como é que as pessoas ainda não devolveram as casas.

Anónimo disse...

Cara Joana,
Não a levo nada a mal, aliás o que me sugere é obviamente o que faço, desde há algum tempo que me "auto-enxotei" quase em permanência...
Não me compete minimamente sugerir quaisquer temas (interpretou-me mal), nem tão pouco ser tolerante ou intolerante com o que aqui se escreve, que não é da minha responsabilidade, nem é feito com o meu dinheiro.

Constato apenas que um espaço de contestação se tornou numa pacífica tertúlia, com aspirações pseudo-intelectuais e de intervenção política (com uma conotação que salta à vista), de exultação no reconhecimento mútuo de gostos e opiniões consonantes, transformação esta que deve dar imenso jeito a quem antes estava permanentemente no ponto de mira... E além de constatar, tomo também a liberdade de me questionar sobre o que estará por trás de tão evidente pacificação... Só isso, Joana.

Portanto, a resposta à sua pergunta é NÃO, e como pode ver pelo número de intervenções consonantes com a minha, não sou propriamente um desalinhado...

Ficam os meus cumprimentos, e uma nota positiva para o tom da sua resposta, lida melhor com a contestação do que os seus colegas, que têm um espírito trauliteiro e intolerante com as vozes dissonantes.

João Tito Basto disse...

que comentários, apetece-me ir de férias outra vez!

Anónimo disse...

De Anónimo para o Anónimo que refere...

"Neste domingo passei em frente ao LX e realmente nem acredito como é que as pessoas ainda não devolveram as casas."

Então porque é que os promitentes compradores deveriam devolver as casas ?

Cumprimentos,