quinta-feira, 13 de setembro de 2007

Colégio de S. Tomás - mutilação da Mata das Conchas


A pergunta inicialmente feita à UPAL, que questionava em que sessão de Assembleia Municipal tinha sido cedida a parcela de terreno da Quinta das Conchas ao Colégio de S. Tomás, destruindo árvores, vegetação e um caminho construído pouco tempo antes na requalificação do espaço em 2005, fazia afinal TODO o sentido. Uma leitura mais atenta ao texto publicado no blog CDU Lumiar indica que a sessão teve lugar no dia 19 de Dezembro de 2006.

Vale a pena ler a acta, a partir da página 86. É pena faltarem os anexos que são referidos na redacção do texto, mas pelo que percebo, esclareçam-me por favor, pagou o Colégio de São Tomás a módica quantia de 167,70€, pouco mais de trinta e dois contos na moeda antiga, a troco de uma parcela de 32 m2. Diz-se que o preço foi simbólico, a 5€ o metro quadrado.

26 comentários:

Mª João MS disse...

Caro Tiago,
Tenho vindo a acompanhar este aceso debate até que me lembrei de falar com um meu irmão, que por acaso é o engenheiro responsável pela obra do colégio de S. Tomás, e que me explicou muito simplesmente que não tiraram parcela à mata, ou seja, o final da mata era em diagonal, o colégio apenas tornou um linha recta, portanto o que foi retirado de um lado foi exactamente acrescentado de outro. Ele está disponével para quaisquer esclarecimentos e diz que é impensável passar-se esse tipo de abusos, têm coordenadas específicas e enviadas por satélite, é tudo o mais rigoroso possível.
MJ

Anónimo disse...

Caro Tiago,

Em vez de mais uma vez integrar peças de partidos políticos no Viver, sugeria que, em face da irreversibilidade desta situação dos terrenos, se abordasse o estado de abandono em que se encontra o parque contíguo às Conchas e que, refira-se, foi inaugurado à meia dúzia de meses. O lago é apenas um charco de água estagnada e malcheirosa, as zonas verdes não existem e confunde-se com a zona pedonal. No que se refere ao Parque da Conchas, todos os lagos e riachos artificiais estão sem água (não se percebendo a sua finalidade, sendo que em certos locais a relva tem pelo menos 2 palmos de altura, o q significa que é tudo menos um local tratado. Por último refira-se que a polícia florestal aparentemente deixou de patrulhar o local, sendo que tenho conhecimento de pelo menos uma caso de assalto por esticão ( e de agressões)a uma senhora nesse local. Uma reportagem com fotos certamente era mais interessante e teria mais impacto ao nível das entidades responsáveis, bem como da participação activa de muitos utentes. Fica a sugestão....

Sobreda disse...

Com certeza que os gestores deste blogue agradecerão os contributos de todos, incluindo os oriundos de autores 'Anónimos'.

Se me é permitido, acrescento que, sobre o estado de abandono das Quintas das Conchas e dos Lilazes, os blogues não andam tão distraídos como isso.

Ver no da ARAL o artigo http://aralumiar.wordpress.com/2007/06/13/sos-quinta-dos-lilases

Ver neste blogue o artigo http://viveraltadelisboa.blogspot.com/2007/07/guas-paradas.html

Ver no da CDU Lumiar http://cdulumiar.blogs.sapo.pt/52330.html o artigo "Conchas entupidas".

O problema parece ser o de os assessores da(o)s sr(a)s. vereadores e presidentes de Junta não 'lerem' os apelos dos moradores.

Mas nem tudo é mau. Há freguesias que pugnam pela manutenção dos espaços públicos, ver http://cdulumiar.blogs.sapo.pt/54108.html

Ainda na semana passada o Forum Cidadania Lisboa lançou um repto ao novo executivo camarário - ver http://cdulumiar.blogs.sapo.pt/106185.html - sugerindo, inclusive, "que seja criada uma comissão de acompanhamento, aberta à participação dos cidadãos, relativamente à Quinta das Conchas e à Quinta dos Lilases, 'uma vez que já se fazem sentir algumas ameaças às mesmas, por via da construção de urbanizações nas suas imediações'".

Ainda hoje - ver http://cdulumiar.blogs.sapo.pt/111490.html - o presidente da Junta esteve em reunião com o presidente da CML. Terá abordado também esta questão?

Para o caso de os moradores da freguesia pretenderem alertar para situações como esta, têm a possibilidade de participar no período de intervenção do público da próxima Assembleia de Freguesia (que é trimestral) a realizar no dia 27 Set, 20h.

E já agora Tiago, estamos totalmente de acordo que se crie a tal "rede de e-mails", sempre em prol da qualidade de vida dos moradores.

Tiago disse...

Cara Mª João MS,

Se leu bem o que foi escrito aqui sobre o pedaço de mata destruído, nunca em momento algum se acusou alguém de ter cometido uma ilegalidade. Procurou-se saber junto da CML, como entidade gestora do espaço público, como e quando tinha sido autorizada a obra. A resposta foi a que coloquei no blog. Neste momento, aparentemente, temos três versões. Não quero tratar destas questões com base na fé. Isso também me foi pedido quando me dirigi à CML e pelos vistos a versão não era assim tão digna de crença. Em todo o caso, obrigado pelo comentário.

Quanto ao anónimo, peço também que leia as justificações para as citações de outros blogs. Como diz o Sobreda, vários blogs se referiram já à situação lamentável em que se encontra a Quinta das Conchas e brevemente o CanaLta 17b irá deslocar-se ao Parque Oeste para fazer o balanço de um ano de utilização. Está o Viver disponível para receber contributos de leitores que queira fazer reportagens fotográficas, em video ou escritas sobre os assuntos que os mais preocuparem. Experimentem, vão ver que dá um pouco mais trabalho do que a indelicadeza protegida pelo anonimato.

Caro Sobreda, vamos então fazer essa listagem. Falamos por mail.

Anónimo disse...

parece-me bem ilustrado no site/blog da cdulumiar:
«Quarta-feira, 4 de Outubro de 2006
Alta do Lumiar: O protocolo entre a CML e a APECEF
No passado dia 11 de Julho, a Câmara Municipal de Lisboa (CML) levou à Assembleia Municipal de Lisboa (AML) a Proposta nº 268/2006 a fim de ser aprovado um Protocolo a celebrar entre a CML e a Associação para a Educação, Cultura e Formação (APECEF).

Em 2001, a CML assinara já um protocolo de cooperação com essa Associação, que incluíu a cedência de um edifício em Braço de Prata, e no qual a APECEF se comprometeu a desenvolver um estabelecimento de formação com todos os níveis de ensino pré-universitário nessa zona carenciada da cidade e com uma população social e culturalmente frágil, o Poço do Bispo.

A Associação era então dirigida pelo ex-pároco de Santos-o-Velho e docente da Universidade Católica Portuguesa, o Padre João Seabra, e por Diogo Vaz Guedes, presidente da Somague.

Na actual Proposta nº 268/2006, a CML veio agora propor a permuta do referido espaço por outro localizado entre a Av. Maria Helena Vieira da Silva e a Rua da Boa Esperança, na Alta de Lisboa, junto à Quinta das Conchas.

Quanto à Associação, nem ela nem a CML apresentam qualquer referência curricular, não se lhe conhece qualquer intervenção na àrea da Educação ou Formação, não são apresentados conteúdos programáticos, não aparece citada nas listagens da DREL, nem se lhe conhece a sustentabilidade económica para o projecto, a não ser a sua ligação à Somague.

Quanto à nova localização proposta pela permuta, estará prevista nas imediações a construção pela DREL de uma EB 1, 2-3, e já existem nas redondezas da Quinta das Conchas, outros equipamentos escolares, como, a Norte, o Colégio São João de Brito, a poente, a Universitas, e no prolongamento da referida Avenida, o Colégio do Planalto.

Ora, facilmente se depreende que esta nova localização na Alta de Lisboa será muito mais proveitosa para a APECEF que a depauperada zona do Poço de Bispo.

Ou seja, a Associação transitaria do prometido apoio a uma população social e culturalmente frágil para um local em franco crescimento e com outra capacidade económica, e onde a DREL já prevê um edifício escolar. Afinal, a preocupação da APECEF não será tão social e abnegada como de início pareceria.

Pelos motivos descritos os eleitos da CDU (PCP/PEV) votaram contra a referida proposta na AML.

(Esta proposta acabaria por ser aprovada na AML com os votos a favor de PSD, a abstenção de PS e CDS, e os votos contra de PCP, PEV, BE e um voto do PS).

Curiosamente (ou talvez não), na recente Assembleia de Freguesia do Lumiar (AFL) de 28 de Setembro, o CDS propõs um voto de louvor pela vinda dessa escola para a freguesia do Lumiar. A CDU fez uma crítica intervenção de síntese sobre o protocolo entre a CML e a APECEF, o que levou a que toda a oposição tivesse votado contra. (O louvor acabaria por ser aprovado na AFL com os votos favoráveis de PSD e do CDS).

Entretanto é também do conhecimento público o vacilar a que se tem assistido no arranque do início deste ano escolar, designadamente no Agrupamento Escolar Lindley Cintra. Juntar 400 crianças na mesma escola, com algumas delas em contentores!? (ver neste ‘blog’ a notícia “Ruptura no sistema educativo do Lumiar”)»

..........

Anónimo disse...

Considero muito esclarecedora, e com válidos argumentos pró e contra, a discussão da dita Proposta 268/2006 na ass municipal da CML, no seguinte URL
http://www.am-lisboa.pt/media/1506.pdf

Contudo todos omitem (os responsáveis nunca dão resposta) a questão de invasão dos terrenos das Conchas! É um pôr e dispor.

Resta saber por que motivo a CML não disponibiizou antes aqueles terrenos à DREL para construção da escola pública (prevista para o terreno da Igreja Evangélica a 250 metros), também em troca, já que a Associação privada já tinha terrenos no Braço de Prata. Parece que se achou prioritário «resolver» a situação de transição para o 2º clo dos alunos de Sete Rios desta escola privada (o que nada tinha a ver com os fundamentos para o protocolo de 2001) e não a dos alunos destinados, por exclusão de partes ou opção legítima, às escolas públicas.
É notório o atropelo dos procedimentos - falta de auscultação do conselho municipal de educação (que estaria para ser activado, mas não se quiz esperar) e as datas destas decisões são «hors saison», sempre na raia dos períodos de «silly season», estival e natalícia.
O argumento de troca de terrenos cedidos pela CML para a associação privada (e quantas dezenas de alunos) não servem quando se trata de uma escola da DREL numa área de 50.000 habitantes?

Anónimo disse...

Muito interessante também ler as actas da Assembleia Municipal, nºs 68 e 70 (nesta, pág.s 26 e seguintes, mas sobretudo as 40-41!)

- veja-se nos URL
http://www.am-lisboa.pt/media/6801.pdf
e http://www.am-lisboa.pt/media/7001.pdf

sobre a proposta 235/2001, inicial protocolo com a APECEF, na altura, uma Associação com 4 meses de existência e 16 sócios, entre eles, os anteriores proprietários dos terrenos a ceder pela Câmara e promotores do Braço de Prata! Ah! para além de, à data, a CML estar a prometer terrenos que anda não eram «seus», parece que um dos objectos «sociais» da benesse era que a APECEF is disponibiizar equipamentos os seus desportivos à comunidade (agora não acho que possamos ir a banhos na piscina da escola privada).
Vale a pena ler - o processo foi aprsentado sem CV dos promotores (era um empreiteiro e um padre, este, logo, uma autoridade em educação), a cedência era por 99 anos, sem projecto educativo nem pareceres das entidades responsáveis.
Mas o PEV exigiu uma cláusula de reversibilidade por não cumprimento que foi inserida.
Agora é melhor: por 50 anos «eventualmente prorrogáveis, i.e., ad aeternum; sem cláusula de reversibilidade por incumprimento dos objectivos sociais e de solidaredade educativa; (uma clúsula confusa sobre a constituição dos edifícios ser propriedade da CML não é mais do que a consequência desta ceder apenas um «direito de superfície»). Mas diz que se não construirem, concomitantemente, o quertel dos bombeiros por 250.000 euros, tudo fica sem efeito...Enfim, entre lágrimas de um agnóstico por uma fábrica de botas militares salazaristas transformadas em escola religiosa e negociatas de associações «à la minute», a acta 70 é verdadeiramente uma relíquia do tipo «a queda de um anjo».
Assim vai o império dos sentidos, onde tudo tem um preço, até a alma dos agnósticos e a desgraça dos desvalidos, usados em prol dos guetos (habitacionais, escolares) das elites.
Tudo serve para fartar a vilanagem. Gostei de saber que podia ter antes comprado um quartel de bombeiros por tão módica quantia! Sempre apagava fogos, neste estio da vergonha!

Anónimo disse...

"Caro Tiago,
Tenho vindo a acompanhar este aceso debate até que me lembrei de falar com um meu irmão, que por acaso é o engenheiro responsável pela obra do colégio de S. Tomás, e que me explicou muito simplesmente que não tiraram parcela à mata, ou seja, o final da mata era em diagonal, o colégio apenas tornou um linha recta, portanto o que foi retirado de um lado foi exactamente acrescentado de outro. Ele está disponével para quaisquer esclarecimentos e diz que é impensável passar-se esse tipo de abusos, têm coordenadas específicas e enviadas por satélite, é tudo o mais rigoroso possível."

Será que o Irmão não fala verdade ?
Se Falar verdade verifica-se que a montanha pariu um rato, ou o que é mais grave, existem agitadores de profissão com outros fins que não o de defender o interesse dos cidadãos.

Anónimo disse...

Caro Tiago,

Mais uma vez o assunto volta a discussão: a questão de assinar como anónimo é irrelevante, até pq. tanto quanto me parece, não ofendi ninguém no meu post e assinar Manel Jaquim ou Falâncio é completamente irrelevante para o efeito, no entanto, se para si esse aspecto é tão importante, pode simplesmente alterar as regras do blogue e retirar a possibilidade de colocação de post anónimos. Nesse caso terei depois q escolher entre as 2 já citadas possibilidades :))
Falando de assuntos mais interessantes, prometo-lhe que logo q disponha de algum tempo livre vou efectuar uma reportagem fotográfica para ser publicada no Viver (caso assim o entenda).

Relativamente à resposta do Sobreda, julgo que se encontram demasiadas referências ao blogcdu na sua resposta e julgo que este não será certamente o local indicado para fazer campanha política e autopromoção, na medida em que para esse efeito já existe o referido blog.

Incolor disse...

Finalmente o Tiago vestiu, publicamente, a camisola.
Tem todo o direito de manifestar, em público, as suas simpatias partidárias.

Quem perde é o VIVER o que se lamenta.

Pessoalmente passo a ficar desconfiado com as escritas do Tiago.

Como é referido num outro comentário, atendendo a que o Tiago não é apreciador de ANÓNIMO, vou assinar como INCOLOR.

Pedro disse...

O protocolo não obriga a Associação a construir o quartel de bombeiros - apenas as fundações e estrutura - há uma (grande) diferença. Aliás, o preço de 250.000 euros seria irrisório para um tal equipamento. O mais interessante desse documento é o facto da realização de todas as obrigações da Associação estar dependente de acções prévias do Estado: o quartel dos bombeiros, o qual deveria ser construído ao mesmo tempo do edifício do Colégio, está dependente da realização e aprovação do projecto (responsabilidade do Estado), as bolsas para os jovens provenientes de famílias carenciadas da zona, dependem do protocolo e são da responsabilidade da CML e da DREL, a ocupação preferencial dos lugares de alunos por moradores da zona está dependente da vontade e disponibilidade financeira dos pais destes (que, atendendo ao target maioritário dos edifícios de venda livre (classe média em início de carreira e com empréstimo na banca para aquisição de casa própria)e a conhecida carência dos habitantes do PER, parece difícil de concretizar).
Não é espantoso que, mais do que alguém ter a capacidade de invocar este tipo de justificações para promover o protocolo, não tivesse havido ninguém (pelo menos em número suficiente) para as contestar, sabendo o desleixo em termos de prazos e de obrigações - veja-se, por exemplo, a situação da Alta com os incumprimentos da CML e da DREL - de que, por regra, padece a nossa administração pública e municipal?
Dito isto, quero acrescentar que, independentemente dos curricula insuficientes em termos pedagógicos que os representantes iniciais da Associação apresentavam, este projecto - pelo que sei - está muito bem estruturado, não tendo dúvidas que, com o movimento religioso que o inspira e orienta, todos os objectivos que pretende alcançar, nomeadamente o de proporcionar uma qualidade elevada de ensino e formação pessoal, serão concretizados desde o início.

Pedro disse...

Quanto ao comentário de filiação política: primeiro era o Bloco de Esquerda, depois os Cidadãos por Lisboa, agora a CDU ... Com um bocado de sorte, alguém há-de identificar um texto de algum de nós com as posições do PS ou do PSD-LFM ou do PSD-MM ou do PP, enfim, é escolher, há ainda os mini-partidos e mais algumas associações. Convém não esquecer as opções voto-em-branco ou abstenção, monárquica ou anárquica, e outras ainda que a imaginação do momento idealizar. Garanto que, esgotadas todas as hipóteses, em alguma terão acertado. É claro que passam ao lado do importante que é a discussão dos temas aqui propostos. Mas pronto, cada um entretém-se com aquilo que a sua capacidade de entendimento do mundo lhe permite alcançar.
Será preciso citar o exemplo do estimado anónimo que considera que tudo o que vá para além da discussão das dimensões do buraco mais recente da sua rua deveria ser assunto tabu no âmbito deste blog?
Ops. Já citei.

Mª João MS disse...

APRE!!! Ninguém liga o "descomplicómetro"!!!
Mª João MS
P.S. É CLARO QUE O MEU IRMÃO FALA VERDADE!!!!!!!!!!!!!!

Anónimo disse...

Caro Pedro,

Uma coisa é citar num post algumas referências a aspectos políticos, outra totalmente distinta é um indivíduo, pelos vistos responsável pelo blog da CDU Lumiar e interveniente político na nossa freguesia, venha colocar post propagandísticos às iniciativas (boas ou más) q a sua força política realizou ou anda a realizar !!! para esse efeito está lá o seu blog, não o Viver !!!, a não ser que os responsáveis do Viver assumam claramente que a finalidade deste blog tb. tem intenções claramente políticas... o que não me parece q seja o caso, na medida em q se assim acontecesse já com certeza tinham informados todos habituais os intervenientes.

Quanto ao seu discurso das quotas aos mais desfavorecidos, informo-o que muitos desses "desfavorecidos" fazem-se transportar em Mercedes, Volvos e Monovolumes (o último que apareceu há 2 semanas tem um BMW cábrio)e vivem em PER's. Ou seja, uma vez que no meu caso não pago renda social, não tomo diariamente pequenos almoços por 5€ e não compro 2 maços de tabaco por dia, (entre outros extras) e acima de tudo além de não receber o RSI, certamente que não serei abrangido por essa simpática quota.
Afinal sou um mero trabalhador dependente, tenho um 206 com 4 anos, pago 650 € de prestação da casa e chego ao fim dos mês a contar os tostões, o que certamente não me permitirá ser abrangido pela quota do novo colégio.. Promova-se pois o debate acerca da (In)justiça Social na Alta de Lisboa.....

Pedro disse...

1. "Meu" discurso?
2. Os comentários são abertos a toda a gente, anónimos ou militantes comunistas. Quando não há visto prévio é para todos...

E sim, percebo a irritação de quem sua as estopinhas dia sim dia sim para ter as contas em dia quando confrontado com rendimentos mínimos sociais a serem aplicados em Mercedes, marlboros ou plasmas de último modelo. Mas face a estas irritações podemos sempre optar por uma de três alternativas:
- Sermos civicamente proactivos, exigindo maior rigor na aplicação dos dinheiros públicos, propondo melhores modos de aplicação dos mesmos, não perdendo de vista a função humanista e de protecção dos mais desfavorecidos que é orbigação de qualquer Estado, social-democrata ou capitalista, liberal ou socialista e, finalmente, sermos nós próprios os primeiros exemplos dessa racionalidade e justeza;
- Sermos reactivos, queixando-nos amargamente da má sorte que tivemos em termos nascido classe-média - de longe a classe mais menosprezada e explorada em todos os regimes políticos;
- Sermos criativos, deixando o emprego, cancelando a nossa conta- habitação e parando de pagar a fornecedores e prestadores de serviços para, orgulhosos do nosso novo estatuto social, nos irmos queixar para a porta dos serviços sociais à espera que nos encontrem verba para os Mercedes, os marlboros e demais, enquanto rezamos para que a bófia ou o fisco não nos apanhem nos esquemas paralelos que complementam o generosos subsídio estatal.

Como sempre, a escolha é nossa.

Tiago disse...

Caro anónimo promitente colaborador e outros,

Vamos por partes:

Aguardarei com interesse e curiosidade a contribuição que se propõe dar ao blog.

Independentemente da irreversibilidade da destruição da Mata das Conchas, como sempre reforcei, pelos vistos não vezes suficientes, o interesse da história era saber também como responde o Estado ao cidadão e como zela pelo seu património. Este assunto poderá ser irrelevante para alguns mas não é para muitos, felizmente.

Fazer referências a blogs partidários não implica ser filiado nesse partido ou estar a fazer campanha eleitoral. Se conseguir arranjar mais algum tempo para além do que nos promete para a reportagem das Conchas dê uma vista de olhos aos posts mais antigos do Viver e encontrará inúmeras referências à actividade partidária, elogiando ou criticando em função das opiniões ou acções e não pela cor política. Mas a reacção dos que pretendem dar cor partidária a este blog não é original, já fomos também acusados de estar a fazer campanha pelos Cidadãos por Lisboa e pelo BE. Ando em ping pong a tentar perceber se isso se deve a má vontade, o que me deixa indiferente, ou iliteracia, o que me deixa deprimido com a nação. De repente lembro-me de discutir com colegas de liceu um dado assunto e haver sempre alguém menos habituado que me perguntava “Mas tu és afinal és de esquerda ou de direita?” ao que eu respondia “Define esquerda e direita. Não preferes discutir antes o que estávamos a discutir?”. Na maioria dos casos a conversa ficava por ali.

Infelizmente para a maioria das pessoas a política e o futebol regem-se pelos mesmos princípios de clubite. E as ideias, o debate, ficam para trás. É assim na maioria dos apoiantes de todos os partidos. Como em todos os partidos há também quem pense e discuta, e isso vale a pena aproveitar se se quiser discutir os assuntos, claro. Para quem lê mas não percebe e só vê o mundo às corezinhas, pois paciência…

Quanto à possibilidade de se poder fazer comentários anónimos sem registo prende-se precisamente com alguma dificuldade manifestada por inúmeros leitores em ter uma conta no google. Já recebemos milhares de valiosas participações em comentários anónimos. Mas serve também esta possibilidade para se dizer o que não se conseguiria dizer se se desse a cara. E aqui deste lado todos damos a cara. É o nosso livre-arbítrio. Cada um tem o seu e é pequenino responsabilizar os outros pelas próprias acções.

Anónimo disse...

eu coloquei muitas citações do tal blog da CDU, mas devido à informação que continham o meu voto estáq nos antípodas. o que é triste da discussão dos dois protocolos é ver que os conluios com os grupos de interesse que vivem (sem fim lucrativo) à custa dos nossos impostos e direitos (a um jardim sem pedaços extirpados a torto e a direito) cruzam (quase) todos os partidos.
E isso traz-no de volta ao interesse deste Viver e do associativismo livre dos cidadãos na defesa dos seus interesses. E devo dizer que conheço e projecto do colégio e merece, pedagicamente, o meu louvor (filosfia, alemão, latim e artes como componentes permanentes sempre é re/inovação). Pena é que assente, literalmente, num abuso de domínio público - e lá se vai a filosofia!

Anónimo disse...

E em prol do pluralismo, alguma informação sobre o colégio (site):

Secção da Quinta das Conchas


Capacidade



● 3 turmas do Pré-escolar

● 1 turma de cada ano do 1º Ciclo

● 3 turmas de cada ano do 2º Ciclo

● 3 turmas de cada ano do 3º Ciclo

● 3 turmas de cada ano do Secundário

Infraestruturas

● Laboratório de Ciências Naturais

● Laboratório de Físico-Química

● Sala de Informática

● Sala de Artes

● Sala de Educação Visual

● Sala de Educação Visual e Tecnológica

● Sala de Educação Tecnológica

● Galeria de exposições

● Biblioteca

● Ginásio para desporto federado

● Sala polivalente para o Pré-escolar

● Campos de jogos

● Horta

● Jardim

● Capela

● Anfiteatro para diversos espectáculos

Localização

Contíguo ao limite Sul do Jardim da Quinta das Conchas. A 350m da estação do Metro “Quinta das Conchas” - Linha Amarela

Filosofia:
Assumimos como missão favorecer nos nossos alunos o desenvolvimento da razão e da liberdade, de modo a contribuir para que cada um se torne uma pessoa feliz e completa, capaz de assumir responsável e criativamente a sua vida.



A descoberta da razão como instrumento para conhecer a realidade, e perceber-lhe o sentido, apoia-se na tradição cristã, hipótese de encontro com a Verdade, a Justiça, a Beleza e o Bem.



Aprendendo a usar a razão na multiplicidade das suas formas, cada aluno é desafiado a tornar seu o património de conhecimento da humanidade.



Indo sempre mais além nesta aventura de desenvolvimento da sua própria personalidade, pretendemos educar cada criança que nos é confiada para que se torne protagonista da construção de uma civilização e uma cultura verdadeiramente humanas, contribuindo com os seus conhecimentos e talentos para o seu bem e o bem do mundo.



Reconhecemos na família o âmbito primordial da educação, e pretendemos desenvolver uma relação de apoio mútuo nesta tarefa. A nossa proposta educativa acompanha o desenvolvimento das crianças a partir dos três anos, através da infância e da adolescência até à entrada no mundo universitário ou da formação profissional.



No Colégio de São Tomás, cada um dos adultos que aqui trabalha quer educar-se também permanemente. Este trabalho é conseguido através da ajuda mútua quotidiana que todos prestam uns aos outros, mas também através de um programa de formação contínua que proporciona e aprofunda o confronto com pessoas e experiências educativas maduras e inovadoras, num contexto nacional e internacional.



Aqui, cada pessoa é acolhida como um dom e aceite como é. A comunidade educativa do colégio trabalha para que cada pessoa vá crescendo no respeito da sua dignidade. A convivência pretende-se franca e amiga, favorecendo o desenvolvimento de personalidades fortes e libertas de preconceitos.
Actividades Extra-curriculares


Dedicadas a desenvolver um gosto, ou um talento, como exemplo de como a dedicação a um assunto belo e bom da vida mostra como tudo é positivo e feito para nós.



Acompanhamento extra-curricular
Academia das Artes

Academia da Música

Academia de Desporto e Dança

CONTACTOS:

Secção Quinta das Conchas

Alta de Lisboa

Av. Maria Helena Vieira da Silva

1750-184 LISBOA

Secção de Sete Rios

R. Prof. Lima Basto, nº 133,

1070-212 LISBOA

Tel. 21 724 70 10

geral@colegiodestomas.com

susana disse...

Mais uma informaçãozinha sobre o colégio:
- a mensalidade deve rondar os 1000€ e não há vagas há pelo menos 1 ano - ainda os filhos não têm idade para se inscreverem no colégio já os pais os inscreveram...

O conceito do colégio é interessante, mas obviamente muito elitista.
Pelo que aqui se vê parece que a "Boa Educação" só chega a alguns.

Inovação seria se a frequência fosse gratuita!
Um exemplo de generosidade e amor ao próximo.

Fica aqui uma sugestão:
Uma vez integrada numa zona de carências porque não incluir algumas dessas crianças na escola?
Isto sim, é sinal de escola sem preconceitos!

Anónimo disse...

E se eu precisasse de uma escola publica, sem princípios religiosos onde colocar os meus filhos ?

E se eu não me importasse de pagar os K€ mas não quisesse alguém a dizer a q "Deus" deve adorar ?

E se eu quisesse que os meus filhos fossem servidos pelos impostos q tds nós pagamos ?

E se eu quisesse que a minha religião fosse respeitada ?

Anónimo disse...

Comunas de merda. Enquanto aquela mata era um antro de lixo, com arvores mal tratadas e um covil de criminosos ninguem escreveu uma linha sobre o assunto, agora que alguem fez obra, agora que uma entidade construiu um colegio para ser frequentado por quem pode pagar, mas que tambem vai servir para que os que não o podem fazer terem mais facilidade de acesso ao ensino, vêm logo com estes falsos moralismos.
Vão viver para setubal ou para loures para verem as atrocidades das cameras da CDU

Anónimo disse...

Susana disse:

"- a mensalidade deve rondar os 1000€ e não há vagas há pelo menos 1 ano - ainda os filhos não têm idade para se inscreverem no colégio já os pais os inscreveram..."

A mensalidade não tem nada a haver com 1000€... nem sei donde poderá vir essa ideia. A base é cerca de 360€
Para mim... há é poucos colégios, deviam construir mais.

iceberg disse...

Ter num lado a Opus Dei, com o Planalto...e no outro a seita Comunhao e Libertacao, com o S.Tomas...francamente..e mesmo azar....Quem nao conhece essas gentes e em especial o taliba catolico que e o Pe.Joao Seabra...que os compre...So nao precebeo e que sejam financiados com o nosso $$$, a custa de todos nos e a roubar mais um metros a Quinta das Conchas

Anónimo disse...

Gostava de pedir ao VIVER que se mantivesse atento às obras da Quinta das Conchas, que nunca mais terminam, não vá o Colégio papar mais terreno e não libertar o estaleiro.
É que há providências suspensivas junto dos tribunais administrativos que podem ser feitas por acção popular. Como julgam que já levaram a melhor (vê-se pela arrogância de alguns posts - malcriados até - defensores da okupação privada do espaço público das Conchas) às tantas julgam que é um fartai vilanagem e invadem ainda mais a Quinta...

Anónimo disse...

é realmente interessante verificar que há muita gentinha com inveja... digam lá se tivessem dinheirito não colocariam os vossos filhos nos colégios??? com a balda em que se encontra o ensino público (púdico) é claro que é uma grande hipótese e muito viável para o sucesso escolar dos nossos filhos. trabalho num colegio da zona que ainda não foi mencionado e digo com todo o respeito pelos outros todos... VENHAM ELES!!!!

Em prole do ensino de excelência e pela excelência!!!

João Maria disse...

Olhe, amigo anónimo, eu tenho dinheirinho suficiente para ter o meu filho neste colégio, e nem mais um ano o deixaria nas mão do "ilustre" staff do Colégio de são tomás. Neste colégio até espancam os miúdos. O meu filho andou lá um ano. Este ano, está numa escola pública. Aquela gente é só garganta. Não fazem a mínima idéia do que estão a fazer...sobrinhos do padre joão seabra, primos do padre joão seabra, amigos do padre joão seabra, amigos dos amigos do padre joão seabra, assim se compõe o staff do colégio. Talvez o facto do padre joão seabra ser irmão de uma anterior ministra da educação, tenha alguma coisa a ver com a "tramóia" da cedência dos terrenos. Como já vi noutro blog relativamente a este colégio:
O Rei Vai Nú! Fiquem em paz!