quinta-feira, 16 de novembro de 2006

O princípio do fim?

O que nasce torto tarde se endireita: PSD rompe coligação com CDS-PP na Câmara de Lisboa. Quantos dos que deram a vitória ao executivo de Carmona Rodrigues votariam da mesma forma se fossem hoje as eleições? E alternativas, há? Apaguem a luz...

6 comentários:

Pedro Veiga disse...

Há alternativas reais a esta política desastrosa de conduzir o desenvolvimento de Lisboa, não há é uma classe política bem formada e com capacidade para tomar as decisões certas. Lisboa, como a maioria das cidades portuguesas, está a ser atacada por uma doença terrível: o excesso de veículos automóveis que entopem as nossas ruas, que nos roubam a qualidade do ar e que nos tiram espaço para poder andar nas ruas em segurança. Eu votaria numa equipa camarária que tivesse a coragem para tomar medidas sérias para acabar com o reinado do automóvel nas nossas ruas apostando fortemente em transportes públicos de qualidade e não poluentes. Veja-se o triste exemplo do túnel do Marquês. Já viram como estão a ficar as ruas e os passeios na zona envolvente? Duplicou-se a capacidade de circulação automóvel à custa do espaço destinado aos passeios e às zonas de jardim. É um autêntico escândalo! E sem falar nos problemas que estão para resolver com os túneis do metro...

Pedro Quartin Graça disse...

Essa equipa existe no seio da única força política que pode protagonizar essa mudança, solução nunca verdadeiramente testada em Lisboa, e que é o MPT - PARTIDO DA TERRA, (http://www.mpt.pt), perdoem-me a propaganda.

Por alguma razão ainda mantemos como presidente (honorário)o percursor do eco-desenvolvimento e grande figura de Lisboa e da ecologia em Portugal, que é o Arq.to Gonçalo Ribeiro Telles, hoje com 82 anos, mas mais lúcido e trabalhador que todos nós juntos.

Pedro Quartin Graça
(Deputado à Assembleia da República, do MPT - Partido da Terra, eleito nas listas do PSD)

Pedro Veiga disse...

Conheço algumas dessas ideias que foram pioneiramente faladas em Portugal pelo Arquitecto Ribeiro Telles. Nomeadamente a ideia de unir parques através de corredores verdes, salvaguardar as hortas existentes em zonas com boa qualidade de solos. É pena que nunca tenham vingado nesta cidade.
Lisboa está a ficar saturada e com índices de poluição atmosférica preocupantes, sobretudo nos dias sem vento!

Tiago disse...

Também sou grande apreciador do Gonçalo Ribeiro Telles. Gosto muito da maneira humana como fala e idealiza as cidades. Curiosamente foi com a força política do PSD, quando o PSL foi eleito há 5 anos, que o arq. GRT perdeu o gabinete que tinha na CML. Até aí colaborava com João Soares, não sei se de forma prolífera.

Relativamente ao célebre corredor verde, ideia de GRT, que passa pela Alta de Lisboa, há uma trsite ameaça que teremos de denunciar a breve prazo. Só preciso de algum tempo, mas conto no Sábado já poder escrever qualquer coisa sobre isso.

Anónimo disse...

Porquê apenas no sábado Tiago? Deixou-nos todos curiosos e a temer o pior... Podia concretizar - ou dar alguns indícios ao menos? Quanto ao Professor Ribeiro Telles, trata-se de uma figura de grande visão e merece toda a nossa admiração.

Anónimo disse...

Existe online informação sobre o plano do corredor verde de GRT? Sei por alto a ideia mas gostaria de ver em planta como se concretizaria.

Obrigado