segunda-feira, 25 de setembro de 2006

A pista de Ski na revista arquitecturas

Na revista arquitecturas nº 17, de Outubro de 2006, sai um pequeno texto sobre a futura pista de Ski da Alta de Lisboa.



Clicar aqui para ler na íntegra


Lisboa vai receber a maior pista de neve da Península Ibérica

Dentro de dois anos vai ser possível praticar ski e snowboard sem sair da capital. A maior pista de neve da Península Ibérica vai ficar situada na zona da Alta do Lumiar e estará aberta 365 dias por ano.


O projecto para a construção de uma pista de ski em Lisboa partiu da SnowWorld, que prevê para o com plexo uma utilização regular de 65 mil clientes. Segundo Alexandre Deifense, dirigente da empresa, foram estudadas várias localizações até encontrar uma com as características ideais. A nova pista vai, assim, situar-se na freguesia da Charneca do Lumiar, abrangendo ainda um pouco da Ameixoeira, zona da cidade gerida pela UPAL (Unidade de Projecto da Alta do Lumiar), que acolheu a ideia de braços abertos. A maior pista de neve da Península Ibérica poderá estar concluída em 2008.

O estudo prévio, explica Fernando Rosado Sousa, director da UPAL, já foi aprovado pela Câmara Municipal de Lisboa. “Esperamos partir para as próximas fases o mais rapidamente possível”, adianta o responsável, ressalvando que não existe, ainda, um projecto definitivo, mas apenas as directrizes principais. “O esqueleto está feito. Falta definir o resto”, afirma. Rosado Sousa crê que este projecto constituirá um grande pólo de atracção, possibilitando mesmo a realização de eventos desportivos de grande dimensão.

O terreno destinado a acolher a pista, integrado numa zona verde com cerca de 22 hectares, adapta-se perfeita mente ao projecto, sem necessidade de grandes movimentos de terras, destaca o responsável da UPAL Destaque, ainda, para a visibilidade deste projecto e o seu impacto visual na cidade, dada a cota elevada em que ficará situado. Alexandre Deifense garante que “será uma pista única”, apesar de os pormenores do projecto ainda não estarem totalmente concretizados.

A pista foi projectada pela SnowFlex, empresa do Briton Engineering Developments, responsável pela execução de setenta pistas do género em todo o mundo, e terá, no mínimo, 260 metros de comprimento por 50 de largura, com quatro percursos diferentes de descida. Será composta por tapetes com seis metros de comprimento e um de largura, interligados e feitos à base de um composto de polímeros, com uma base condutora de fibra em mono filamento. Por baixo terá uma espécie de colchão, menos duro que o gelo real, que garante a segurança e o conforto. Está também prevista a construção de uma segunda pista, de apoio, com 50 metros de comprimento por 50 de largura, para aprendizagem.

Luís Teixeira é o arquitecto responsável pelo projecto, em consonância com as indicações do Briton Engineering Developments. Espera-se que a pista esteja pronta em 2008, ou no final de 2007.

Pedro Miguel Marques

10 comentários:

Ricardo disse...

Poderei finalmente vir carregado de verduras e fruta fresca da Feira das Galinheiras sem levar o carro. É só descer pela neve...
Q classe!

Tiago disse...

Excelente, Ricardo! Esse filão de mercado não tinham eles pensado. Tens razão, isto é que é classe!

Pedro Veiga disse...

Daqui a 2 anos! Vamos poder fazer ski ao pé de casa! Estou mesmo contente, finalmente vou tirar do armário os meus velhos skis...
Ainda estamos à espera de um caminho pedonal decente e já falam de uma pista de ski, pronta daqui a 2 anos.
Pelo vistos é mais prioritário uma pista de ski onde a classe "média alta" possa gozar o seu tempo livre do que a existência de passeios pedonais ou abrigos nas paragens dos transportes públicos.
Espero que os impostos gerados por esta actividade possam ser aplicados na melhoria das estruturas de apoio aos habitantes da zona. Pode ser também que criem mais alguns empregos para a população local.

Puma disse...

Não querem meter ai a feira popular?

Ricardo disse...

A criação de uma referência turistica pode ajudar a acelarar os acessos de lazer e transportes públicos, sejam eles pedonais ou ciclovias. Eu cá já me dava como satisfeito com a melhoria do acesso à estação de Metro da Ameixoeira em 2 anos, onde nem passeio existe para as pessoas, quanto mais para skis ;)
De qualquer forma, já estão a calcetar o local para as paragens de autocarro junto à rotunda...
A feira popular já temos com as demonstrações gratuítas de perícia automobilística na rotunda, ao melhor estilo do 'poço da morte'

Nuno Silva disse...

Incrível! A mania das grandezas dos Tugas no seu melhor.....

Numa zona em que as entidades públicas e privadas nem sequer conseguem concretizar os acessos rodoviários, etc. a tempo e horas quer-se fazer "a maior pista de neve da Península Ibérica"!! Em portugal é sempre tudo em grande menos as coisas que são realmente essenciais...

Anónimo disse...

Para se ter ski... mais valia gastar o dinheiro a pagar viagens para os entusiastas irem até à Áustria LOL

Anónimo disse...

Sinceramente, acho que estas pseudo-pistas, são pura e simplesmente um gasto ridiculo de investimento! Vejamos a de Manteigas! Aquela porcaria não se assemelha em nada a uma pista real... Quanto mais em lisboa... É dificil conceber algo assim, e que vá dar alguma lucro, pois tera o inicial "tesão de mijo", mas depois as pessoas irão se cansar de andar sempre na mesma pista e n ao voltarão a por lá os pés. Outra questão, que ja referi, é o facto de aquilo não tem ponta de neve, ou gelo, ou qualquer constituinte que parta da moleco H2O, é só plástico quitado!

dediquem-se à pesca!

Anónimo disse...

A pista vai ser um grande exito
em Lisboa. Nao e apenas um plastico.
Visita www.snowflex.com
e muitos videos em
www.youtube.com (Search : SNOWFLEX).
Adoro pessoas que commentem sem saber nada do assunto. Tipicamente Portugues!!!!

Anónimo disse...

Já estou a ver... as bichas ao Domingo para ir ao Snowflex. É mesmo sinal do tipo de gestão desta vereação... tudo para derreter! Não há um vislumbre de ideias de cidade que ultrapassem o fogo de vista. Adoro pexoas que escrevem mal e não se importam...tipycamente portugues.