segunda-feira, 9 de junho de 2008

CineConchas - o primeiro spot

É preciso esclarecer que tudo começou no Grupo Recreativo e Desportivo do Bairro da Cruz Vermelha, quando, há um ano, andei a filmar os treinos da secção de boxe. A ideia era recolher material de estudo para a realização de um documentário sobre um jogo que consiste em entrar num ringue e tentar derrubar o adversário com socos e o que leva um tipo a fazer isso. Pensava que ia encontrar os Touros Enraivecidos do bairro, mas conheci afinal um pessoal tão porreiro que fiquei com vontade de calçar umas luvas também. Acabei por não as usar, nem por avançar tanto como queria com o esboço do documentário. Mas das conversas que tive com o José Tavares, o treinador de tantos jovens do bairro, o seu filho Ricardo, o João Matoso, e os restantes atletas que vinham de outros bairros para treinar naquele ginásio "por gostarem do ambiente dos treinos", saiu a vontade de fazer um ciclo de cinema sobre boxe na Quinta das Conchas. A ideia era mostrar histórias de vida que fossem também histórias de boxe. Mostrar algo mais daquele desporto mal-amado, aparentemente só brutal e estúpido, mas um exemplo de sacrifícios pessoais e coragem, mostrar bom cinema, dar um motivo a todos para se juntarem num dos mais aclamados espaços públicos da Alta de Lisboa para ver o mesmo filme, rir e chorar em conjunto. Pensámos no Raging Bull, do Scorsese, que tem um dos inícios mais geniais de toda a história do cinema, o mais recente Million Dollar Baby, do Eastwood, o surpreendente Rocky do Stallone, o Cinderella Man, o Hurricane e o português Belarmino. A ideia foi demasiado tardia mas útil para nos preparar para este ano.

Assim nasceu o CineConchas, que vai decorrer em Julho, às Sextas e Sábados, na Quinta das Conchas. O tema do boxe foi adiado - se vocês soubessem o quanto é difícil arranjar filmes com licenças disponíveis! - e trocado este ano por seis filmes onde amores e afectos sejam facilmente reconhecíveis nas suas variadas formas. A homenagem ao boxe e ao Clube da Cruz Vermelha mantém-se, para sempre. O CineConchas será sempre deles também.

1 comentário:

Nita disse...

Excelente iniciativa, para mais num espaço de eleição da nossa freguesia. Parabéns! Seria possível facultarem o cartaz completo, mas "estático"? Os títulos são óptimos.