segunda-feira, 3 de março de 2008

Clã-Destino

O Lumiar já merece uma geminação com o Entroncamento, tamanho o número de fenómenos que têm ocorrido um pouco por toda a freguesia.

Depois do mistério do projecto de renovação do seu centro, destruído para a implantação do viaduto do Eixo Norte-Sul – do qual uns nunca ouviram falar e outros juram a pés juntos já terem consultado.

Depois da ocorrência inexplicável de cheias em vários pontos da Alta e – novamente – no seu centro junto à sede da Junta...

Eis que um novo fenómeno se impõe a escassas centenas de metros da sede do poder local:


Esta magnífica arquitectura, brotada como míscaro depois de uma chuvada repentina, sem licença de construção à vista (como é de lei).


Serão, depois de todo o trabalho que a SGAL teve para as erradicar, as barracas novamente toleradas no Lumiar?

Será que as construções provisórias não são consideradas construções e, portanto, não precisam de ser licenciadas?

Será, pelo contrário, que as licenças existem mas dá muito trabalho expô-las à entrada da obra?

Será que as ligações de esgoto à rede camarária foram autorizadas e licenciadas?



Quem terá sido o arquitecto autor do projecto? Existe termo de responsabilidade?

É um mistério. É um fenómeno.

9 comentários:

Anónimo disse...

uau
Pedro o que e isto?

Quem vai viver ou trabalhar ai?

post magnifico!
ana

Anónimo disse...

não será o mercado...provisório?

Anónimo disse...

Ate' aposto que esta obra e' da CML. Se fosse um privado ja estava embargado, etc., mas sendo a CML ja' nao ha' problema nenhum.
PD

Anónimo disse...

eheheh... nem quero acreditar! A Junta criou esta obra de arte? O que nos questionamos sobre o 'edifício'!

Anónimo disse...

Nos pavilhões "temporários" vão ficar instalados os serviços administrativos da Santa Casa da Misericórdia - Direcção de acção Social Local Norte , que ficam no outro lado da rua (edificio rosa nas fotos), pelo menos enquanto decorrerem as obras de restauro.
Mário Oliveira

Anónimo disse...

e quanto tempo e isso?

Anónimo disse...

Acho que está justificada a razão.Aliás uma boa razão. O restauro de um edificio da freguesia.
Quanto ao restante, ao aspecto dos contentores sobrepostos, até tem o aspecto de uma solução civilizada.
Em tudo me parece que a CML terá estado bem.
Quando acabar o restauro desmonta-se aquilo tudo e pronto. Tudo como dantes.

Anónimo disse...

Mas por quanto tempo?

Pedro disse...

Curiosamente, as perguntas do texto não tiveram ainda resposta.

Tudo como dantes.