quinta-feira, 8 de novembro de 2007

Direito de resposta

O Gabinete do Vereador José Sá Fernandes emitiu ontem um comunicado sobre o acidente no Parque Oeste. Deixamos aqui o link para que os leitores o sigam e possam assim aumentar as visitas do blog Gente de Lisboa. As soluções apresentadas pelo Vereador estão lá para o vosso comentário.

Não podemos no entanto deixar de responder a dois parágrafos do comunicado que nitidamente nos visam e ofendem na nossa honra e dignidade.


É de lastimar que este caso humano tenha sido aproveitado politicamente, para se assacarem responsabilidades, a quem, de facto, não as tem.

José Sá Fernandes não pode ser responsabilizado, pela concepção deste parque, cuja construção data do anterior Executivo, e que, ao que tudo indica – sendo essa a convicção dos próprios moradores – tem características que põe em causa a segurança de quem o frequenta.



Nunca responsabilizámos José Sá Fernandes pelas opções contemporâneas da arquitectura de Isabel Aguirre. Dois anos antes de JSF ser responsável pelos espaços verdes de Lisboa já este blog discutia e punha em causa as opções que afastariam a população do Parque Oeste, deixando-o vazio, vulnerável e inseguro.

Nunca responsabilizámos JSF de ter tomado a decisão de dispensar os vigilantes contratados no bairro para os substituir pela inútil prestação de serviços da PROSSEGUR. Este contrato foi celebrado pelo anterior presidente da CML, Carmona Rodrigues.

Os apelos feitos em relação ao Parque Oeste por este blog nunca tiveram eco nem na CML, nem na UPAL, nem na SGAL, autistas perante a opinião do utilizador dos espaços.

No entanto, quando JSF foi investido Vereador dos Espaços Verdes, pelo seu passado de participação cívica como cidadão lisboeta, a esperança de novas possibilidades de diálogo entre a população e governo da cidade aumentaram.

Ao fim de cerca de um ano de utilização do Parque Oeste, fizemos um balanço, a nossa análise e as nossas propostas. A veemência aumentou por termos conhecimento de uma série de factos invisíveis ao cidadão comum através de funcionárias municipais que operavam no Parque.

Na sequência desse balanço, fizemos uma campanha de envio de emails para JSF, Vereador dos Espaços Verdes, para que analisasse a situação e tomasse as decisões devidas. Nenhuma resposta chegou em mais de um mês. Só depois da tragédia ocorrida no passado Domingo.

Acreditamos que as cidades devem servir as pessoas que lá vivem, acreditamos que a CML, o governo da Cidade eleito pela população, tem o dever de auscultar a opinião dos munícipes. Acreditamos que os cidadãos têm o dever cívico de contribuir para a construção de uma cidade cada vez melhor para todos. Fizemos o nosso trabalho, não remunerado, por pura entrega e dedicação cívica. Alertámos a tempo e horas.

Não utilizamos a tragédia humana para fazer ataques políticos. Não fazemos ataques políticos. Condenamos más políticas, não cores políticas. Gostaríamos de condenar a não resposta do JSF aos seus munícipes apenas pela ausência de infraestruturas no parque. Infelizmente, os acontecimentos de Domingo precipitaram a indignação da população, mas também as respostas do Vereador.

A vitimização política é uma forma de defesa patética que nada contribui para o aumento da qualidade de vida das cidades. Discutam-se os problemas com frontalidade e inteligência e aceite-se a participação cívica sem desconfianças e guerrilhas políticas imaginárias. Muito tempo em gabinetes e pouco nas ruas rouba-vos lucidez.

13 comentários:

Pedro Veiga disse...

Excelente resposta! Assim se vê a distância que existe entre os gabinetes e o trabalho de rua! Ainda bem que o Viver está a fazer este trabalho muito digno que é o de dar voz aos cidadãos que utilizam diariamente a cidade. A cidade também é feita por quem anda a pé ou de transportes públicos e não só por aquela raça de políticos que só vê a sua cidade através dos vidros do seu automóvel ou do seu confortável gabinete.
Queremos mais cidade, uma cidade voltada para as pessoas com caminhos seguros, com ligações lógicas entre os meios de transporte. Uma cidade onde o automóvel não seja o rei e onde se possa respirar em ruas desafogadas!
Parece que esta malta que nos governa ainda não entendeu isto!

Anónimo disse...

Subscrevo integralmente as palavras do Tiago, até pq. como um dos cidadãos que remeteu e-mails para o Sr. Vereador e nunca obtive resposta, já fui aqui muitas vezes apelidado de oportunista político e blá blá blá (com certeza coisa de boys dos Bloco, que tb os há ..)

FX

Pedro disse...

Face às medidas que o gabinete do senhor vereador diz que vão ser implementadas por indicação dos serviços, gostaria de saber se as mesmas já têm a aprovação da projectista uma vez que o parque, como peça arquitectónica de autor, está protegido pelo Código dos direitos de autor. Ou vai a Câmara avançar como um buldozer em seara expropriada, como é seu hábito e quando lhe convém?
Talvez os que, tão prontamente, aqui vieram defender o seu chefe, me possam responder. Ainda este ano, sff.

Anónimo disse...

E do menino, nada se sabe...
Politiqueiros de 1/2 tijela.

Anónimo disse...

Parece-me despropositado o Tiago considerar que a referência ao aproveitamento político que alguns estão a fazer do acidente é dirigida a ele próprio. Não estará o Tiago a fazer a sua própria vitimização? Não seria melhor elevar um pouco o nível do debate? Afinal, o que achamos todos das medidas que o Zé está a propor de imediato para o parque?

Anónimo disse...

Também acho que já chega de vítimas neste caso. Se o parque vai melhorar, está-se bem.

Anónimo disse...

Parabéns pela resposta Tiago. É de gente grande, gente comum, gente livre para viver com e pela sua comunidade. Gente que faz realmente falta. Excelente exemplo de cidadania.

Anónimo disse...

3 vivas para o Tiago!
Tiago pra presidente!

Ana B. disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ana B. disse...

Parabéns Tiago!

É bom e vale a pena pensar e viver a cidade com paixão. De cabeça limpa e consciência tranquila... mesmo que às vezes as contrariedades sejam muitas.

Anónimo disse...

Olá Tiago. Parece que foste a uma reunião com o Zé na Câmara. Diz-nos lá o que se passou. Se não fôr indiscrição, claro!

Anónimo disse...

O Zé também compra...

Tiago disse...

Leiam lá o post de 11 de Novembro, ilustres leitores cujos dedos mexem mais depressa que algumas sinapses.