domingo, 21 de outubro de 2007

Concurso Gig Street no Viver

Há coincidências misteriosas, sentidos de oportunidade intrigantes, timmings telepáticos. Por exemplo, o Viver já se fartou de publicar sobre coisas pequenas, buracos nas ruas, tapumes que tiram visibilidade aos automobilistas, falta de passeios, ausência de abrigos nas paragens de autocarro, enfim, coisas que facilmente se resolvem com boa vontade da CML ou SGAL, dependendo de quem é a administração do espaço, e que nalguns casos foram resolvidas poucos dias depois. Nós aqui, que não somos nada tendenciosos, ficamos logo com a sensação que há uns senhores nessas entidades que nos lêem com atenção e carinho, mas fica sempre uma pontinha de dúvida se tudo isto não pode ser apenas uma gigantesca e improvável coincidência.

Isto tudo porque acabo de receber uns comentários anónimos a perguntar por um concurso antigo, ainda do mês de Agosto, que suscitou bastante interesse e dedicação por parte de muitos leitores. Ora acontece que por acaso, por coincidência, passei o fim de semana a pensar que já era hora de revelar que obra composta para um filme tinha seis notas em comum com o Nature Boy, que publicámos aqui cantado pelos Gig Street, mas uma crise de alergias adiou-me a empreitada. Umas horas mais tarde, aqui fica a resposta: Poverty, de Ennio Morricone, da banda sonora original do Once Upon a Time in America, de Sergio Leone, um filme magnífico com Robert de Niro e James Woods.



Ninguém ganhou, temos pena. Mas prometo mais música e concursos para breve.

5 comentários:

Joana disse...

Eu só dura de ouvido mas, mesmo assim, identifiquei bem as tais 6 notas! Tenho q ver o filme, um dia destes.

susana disse...

Idem, exceptuando o dura de ouvido!
Tenho é muita criatividade, eh, eh!

Fiquei com muita vontade de ver o filme.
Acho que ainda não o vi!

Pedro disse...

Não terá sido o Leone que citou o Nature Boy na sua composição?

http://en.wikipedia.org/wiki/Nature_Boy_(song)

Anónimo disse...

Lindíssimo, digno de uma manhã de nevoeiro na quinta dos liláses. Vou tentar arranjar o filme, visto há vários anos, nem lembrava quão mágico. Obrigada por responder ao repto, tiago. Valeu a espera.
«sinclair»

Anónimo disse...

para o tiago, com os nossos agradecimentos por novos olhos de ver e novos sentidos e sabores/saberes

http://sonataperdue.blogspot.com/2007/08/grigory-sokolov-interpretando-o.html