quarta-feira, 13 de junho de 2007

Lx2007 - Cidadania (V) - Mobilidade e Transportes

Um amigo acusou-me de ser um chato inconsequente, quando lhe contei que tínhamos enviado uma lista infindável de questões que considerávamos pertinentes a todas as candidaturas. "Porque é que não lês os programas? Tenho a certeza que elas já lá estão respondidas... deixa lá esse quixotismo naif e ocupa o tempo de todos de forma mais eficaz..."

Na sequência da resposta do Manuel João Ramos, comecei a vasculhar os sites das candidaturas para a confrontar com as posições dos outros e deparei-me com a declaração de Ruben de Carvalho sobre políticas de mobilidade. Eu sei que o direito à asneira é universal (e eu exerço-o algumas vezes). Mas depois de ler a colecção de lugares comuns, incoerências e demagogia que o texto é, tive saudades do tempo em que o que me afastava do PCP era a sua concepção de sociedade e de organização do Estado e não a garantia de que, com posições como esta, pra pior já basta assim.

E para que analisem por vós, aqui está o texto de Ruben (selecção, sublinhados e comentários meus - podem consultar o texto na íntrega a partir do link acima posto):

Apresentação das Propostas para a Mobilidade e Transportes em Lisboa
Declaração de Ruben de Carvalho sobre políticas de mobilidade

Estamos a apresentar as propostas da CDU para a Mobilidade e Transportes neste local, pelo grande significado que tem o facto de ter havido um gravíssimo acidente na construção da estação do metro do Terreiro do Paço e estarmos em meados de 2007 e a estação não estar pronta e a conclusão do prolongamento da linha azul a Santa Apolónia esperar melhores dias.
Dizia o Engº Carmona Rodrigues, então Ministro das Obras Públicas, em Julho de 2004, numa visita à obra, que a mesma ficaria pronta no meio de 2005! Passaram 2 anos e o trabalho não está concluído. Um escândalo.

Se o escândalo é a falta de capacidade do presidente Carmona enquanto engenheiro perceber quando é que uma obra fica pronta, estamos de acordo. Se é pelo atraso, como o mesmo não tem nada a ver com a CML , mais do que um escândalo é demagogia barata.

Situação parecida se passa com o túnel Ferroviário do Rossio, cuja conclusão vem derrapando, prejudicando quem mora e trabalha em Lisboa, com consequências na paralisação do funcionamento do elevador da Glória e afectando fortemente a estação de Sete Rios.
Estes exemplos mostram à evidência as consequências das políticas desastrosas do governo na CML.

Campanha para a CML, para a AR ou para o conselho de administração da REFER?

Seis anos de política do PSD associado ao CDS/PP e com o apoio do PS nas medidas mais importantes e estruturantes, conduziram a cidade ao estado caótico em que se encontra, tornando a vida de quem habita e trabalha em Lisboa num inferno: seis anos de degradação do espaço público e da mobilidade, com problemas ao nível do planeamento, piores transportes, pior estacionamento e piores acessibilidades.

Presume-se que: a) de 1990 a 2000 o PCP não teve nada a ver com a gestão de Lisboa; b) miraculosamente, o que foi feito no passado não tem repercussões no presente.

(...)
As acessibilidades que estruturantes que faltam concluir, tais como o Eixo Norte – Sul, CRIL, radial da Pontinha e de Benfica, etc., mantém-se na mesma.

(...)

O recurso transporte individual continua a ser cada vez mais dominante na mobilidade e ainda foi potenciado com as medidas do governo do PS e da CML , provocando o aumento do congestionamento, maior poluição atmosférica e sonora e obrigando os transportes públicos a menores velocidades comerciais e tempos de trajecto mais dilatados.

Em que é que ficamos - defende-se o acabamento da Norte-Sul e ao mesmo tempo ataca-se o aumento do tráfego para a cidade?

(...)

É fundamental alterar completamente esta política, que se conjuga com uma política semelhante do governo do PS, de ataque frontal aos transportes.
Tal só é possível com a CDU, assegurada através de um projecto integrado visando o desenvolvimento sustentável da cidade e da qualidade de vida dos lisboetas e uma gestão:
- eficaz;
- descentralizada;
- identificada com os problemas e as aspirações de quem vive e trabalha em Lisboa;

Não é uma das aspirações da maioria dos que trabalham em Lisboa vir para o trabalho confortavelmente no seu carrinho sem passar muito tempo em filas?

- assegurando um correcto ordenamento do espaço e uma mobilidade urbana sustentável.
- participada;
As propostas da CDU assentam numa PRIORIDADE ABSOLUTA AOS TRANSPORTES PÚBLICOS, AO PEÃO E AOS ESPAÇOS PÚBLICOS na qual é determinante o papel da Autoridade Metropolitana dos Transportes.

Mais uma vez, em coerência com esta posição não se deveria defender o encerramento das saídas da Norte-Sul e da CRIL para o interior da cidade em vez de se criticar o atraso na sua conclusão?

A CDU tomará medidas ao nível da Autoridade Metropolitana de Transportes, para alterar os seus estatutos, de modo a que garantam a participação dos trabalhadores e dos utentes dos transportes e deixe de ser uma entidade governamentalizada, (...)

Presumo que o PCP estará a pensar nos trabalhadores representados pelos sindicatos filiados na CGTP e nas comissões de utentes coordenadas pela DREL.

(...)

A CDU actuará ao nível das acessibilidades e espaços públicos
- Realizando uma acção permanente de manutenção da rede viária e do espaço público, eliminando todos os factores perturbadores de uma circulação eficaz e fluída, entre os quais se incluem a construção e repavimentação das vias degradadas e eliminando os “buracos” que proliferam por toda a cidade;

Seria importante explicar o financiamento destas obras face ao descalabro das contas camarárias. Para António Costa ainda compreendo a almofada governamental, para o PCP...

- Concluindo as obras prioritárias, tais como o Eixo Norte – Sul, a radial da Pontinha e de Benfica e a CRIL, que são, de facto, as medidas que se impõem para concluir uma malha fundamental para garantir a mobilidade em Lisboa e defender a utilização do centro da cidade.

Não percebo, não percebo, não percebo. Não se importa de repetir - o eixo Norte-Sul e a utilização do centro da cidade? Estará o candidato a pensar que, com a conclusão destas obras se retira definitivamente o trânsito do centro da cidade? Qual centro? Neste momento o trânsito que será dirigido para os troços a concluir passa quase exclusivamente na 2ª circular! Benfica e Campo Grande já são centros da cidade? Se calhar... Seria tão bom, Ruben, se me esclarecesse...

- Aumentando as faixas “bus”, garantindo maior rigor na fiscalização das cargas e descargas nos horários que estão definidos, removendo os carros abandonados nas ruas e alterando das regras de circulação de veículos pesados na cidade.

Sim senhor, completamente de acordo - haverá alguma candidatura que defenda o contrário?

A CDU tomará medidas ao nível da mobilidade do peão
- Devolvendo-lhe o espaço público e criando mais espaços reservados devidamente protegidos;
- Dando combate à colocação de obstáculos nos passeios e fiscalizando rigorosamente o estacionamento irregular e a ocupação dos passeios;
- Construindo passagens desniveladas, colocando sinalização adequada ao atravessamento de peões e utilizando equipamentos limitativos da velocidade, tais como, lombas artificiais, nos locais mais perigosos;

Mais frases feitas que não querem dizer rigorosamente nada. O que é devolver o espaço público ao peão? Quer isto dizer que o peão já só anda no espaço privado? Espaços reservados? Isso não são os passeios? Será que quer dizer que vai proibir o estacionamento em cima dos passeios? Não é já proibido? Ou será que quer dizer que vai fechar mais ruas ao transito automóvel? Então porque é que não diz exactamente isso? E não é obrigação de sempre da CML probir a ocupação da via pública sem autorização? Estará Ruben a criticar os trabalhadores da CML por não cumprir o seu papel fiscalizador? Estará a acusar a política de licenciamento dos serviços? Estará a propor a proibição de instalação de estaleiros na via pública? Quanto à construção de passagens desniveladas: serão a melhor solução - ou mesmo exequíveis - face à obrigação de fazer os acessos em rampa? Serão feitos estudos para perceber qual a perspectiva de utilização? Relembro o caso da passagem inferior entre a avenida da Igreja e o jardim do Campo Grande. E, mais uma vez - vão ser pagas com que verbas?

A CDU actuará ao nível do estacionamento
- Construindo parques de estacionamento para residentes, quer subterrâneos, quer em superfície, quer em altura;
- Construindo parques de estacionamento dissuassores na periferia e nas entradas de Lisboa, gratuitos para os utentes dos transportes públicos e integrados em adequados interfaces dos vários modos de transporte;
- Ordenamento o estacionamento, integrado-o numa perspectiva de prioridade aos transportes públicos.

Saiu o Euromilhões ao PCP e ele vai aplicá-lo todo no orçamento da CML! Parques de estacionamento públicos e gratuitos para habitantes e trabalhadores que deixem o carro na entrada da cidade? Leia-se o que sobre isto escreveu MJR.

A CDU dará uma atenção especial ao sistema de transportes
- Valorizando a intervenção das empresas públicas de transportes;
- Dando prioridade absoluta ao serviço público de transportes, componente fundamental do sistema de transportes, através de uma melhoria substancial da qualidade, do conforto, da diminuição dos tempos de viagem, do aumento da segurança, da frequência e da capacidade da oferta de transporte, sem que haja permanentemente aumentos dos bilhetes e dos passes;
- Alargando as coroas do passe social intermodal, tornando-o extensivo a todos os operadores e criando bilhetes multi-modais, válidos por um determinado período de tempo em todos os operadores;
- Aumentando a intervenção do caminho de ferro ao nível do serviço urbano, em perfeita complementaridade e coordenação com a CARRIS, o METRO e os táxis, com adequados interfaces, que permitam uma cadeia de transporte fluída, rápida, eficaz e a preços acessíveis;
- Acelerando a expansão da rede do metropolitano, com a conclusão dos troços que estão em construção, a extensão Alameda/Saldanha/S.Sebastião/Campo de Ourique, a extensão da Linha do Oriente a Sacavém e ao Aeroporto, assim como construir a ligação a zonas de forte densidade habitacional, tais como Alcântara/ Ajuda, num conceito de sistema com os restantes operadores;

Para além do orçamento camarário, o PCP tambem vai aplicar o Euromilhões na compra de todas as empresas públicas - CARRIS, METRO, REFER... só assim poderá ser ele a decidir como, onde e quando intervir no desenvolvimento e prolongamento das redes. Ah, e no financiamento da construção.

(...)

- Tomando medidas no sentido de se melhorar a acessibilidade e deslocação das pessoas de mobilidade reduzida, quer enquanto peões, quer nos transportes públicos, acesso aos terminais, estações, interfaces e acesso ao próprio meio de transporte (comboios, autocarros, táxis, etc.);

Finalmente uma medida justa, realista, exequível e pagável!

- Promovendo e dinamizando a utilização de combustíveis menos poluentes em todos os transportes públicos.

Tirando os taxis e os aviões (os aviões são transportes públicos?) não é o que acontece já? Os comboios a energia eléctrica e os autocarros a biogás...?


28/05/2007

1 comentário:

MC disse...

Os comentários vão um pouco na linha do que já tinha escrito aqui.
Só há mais uma coisa que me chocou, foi quererem impedir a municipalização da Carris, CP e Metro!!
Ou seja a cooperação entre as Carris, CP, Metro e CML sempre foi má... E pelos vistos o PCP quer que se mantenha assim!