quinta-feira, 7 de junho de 2007

IPO vai para Oeiras

IPO vai para Oeiras
Transferência anunciada por Isaltino Morais
O Instituto Português de Oncologia vai ser transferido para Barcarena, no concelho de Oeiras. O anúncio foi feito, esta quinta-feira, pelo presidente da autarquia.

SIC online

Ora aqui está mais um assunto que eu gostaria de ver discutido pelas diversas candidaturas. Não consegui encontrar referências na net mas julgo concluir bem se disser que a venda se inclui na desesperada tentativa do Governo alienar tudo o que luza como forma de reduzir o malfadado défice orçamental – ainda que a justificação oficial possa ser pagar instalações mais modernas com o dinheiro da transferência.

Mas fazer dinheiro como? Não sendo crível que se tenha encontrado uma jazida de petróleo no subsolo, a única hipótese plausível é a da venda do terreno para construção imobiliária. O que implicará uma mudança do PDM. O que, dados os custos envolvidos, parece ser um dado certo para o ministro da Saúde.

Terá Correia de Campos poderes mediunicos? Saberá ele mais do que nós? Terá ele já a certeza de que o PS ganhará com maioria absoluta não só as próximas eleições intercalares mas as eleições “gerais” para Lisboa de 2009?

Ou será que todas as forças passíveis de eleger vereadores também estão de acordo com a mudança do PDM e a construção no local de mais um mega-empreendimento?

E Lisboa? O que ganha ela com mais esta densificação do seu território?

E os seus utentes – o que ganharão com a deslocalização do maior hospital oncológico da região para lá do horizonte, numa região pior servida de transportes públicos, mais afastada de hoteis e pensões, mais longe da maioria?

7 comentários:

Tiago disse...

Diz hoje a TSFque "Quem também já se manifestou sobre a transferência do IPO de Lisboa para fora do município foi António Costa.

Em declarações à agência Lusa, o candidato do PS à Câmara de Lisboa lamentou que a autarquia «não tenha sido capaz de disponibilizar os 12 hectares necessários à instalação do Instituto Português de Oncologia deixando-se ultrapassar pela Câmara Municipal de Oeiras».

António Costa disse esperar «o próximo executivo da Câmara Municipal ainda vá a tempo e que esta solução não seja irreversível»."

http://www.tsf.pt/online/vida/interior.asp?id_artigo=TSF181097


Infelizmente começo a ler as declarações públicas sempre com o sentido contrário. Já estou a imaginar daqui a uns meses outra declaração: "Já não fomos a tempo para contrariar a irreversibilidade desta tranferência."

E sim, também aposto que vendem o terreno por bom preço a um empreendedor que se contentará a vender 30% de um prédio de habitação porque isso já dará lucro.

Anónimo disse...

E a descentralização/regionalização? Somos ou não somos apologistas? Não pode haver dois pesos e duas medidas pois de outra forma nunca se iniciará.

Ninguém ouviu falar do Hospital de Ortopedia em Alcoitão?

PS: E claro que a CML têm toda a culpa nisto que já se fala há anos!?!?. Com tanto buraco livre na Alta de Lisboa eu nem via com maus olhos a colocação do Hospital por estas bandas.

Cumprimentos,
JSA

Pedro disse...

Mas o que é que a regionalização tem a ver com a retirada de um hospital central da cidade e com a alteração do PDM no que diz respeito ao uso dos terrenos do IPO?
Por essa ordem de ideias substituia-se o S. José por um hospital na OTA e o santa Maria por outro no Poceirão...

Pedro disse...

Quanto ao comentário do candidato António Costa, bem me parecia que estávamos no domínio da feira... então o problema era quem dava mais? O Estado não tem terrenos em Lisboa? Era só uma questão de disponibilização de terrenos? Na escolha do local não entraram questões como o ordenamento do território, a procura face ao número e distribuição dos habitantes... ? O IPO só vai para Oeiras porque o Isaltino se adiantou primeiro? Bom, se é mesmo uma questão financeira então mudem-lhe o nome para FPO - Fábrica Portuguesa de Oncologia! Sempre se era mais transparente e as pessoas já ficavam a saber com o que podem contar.
Realmente não vale a pena tentarem responder às perguntas que os marmelos dos eleitores resolvem fazer - era cá uma chatice ter de inventar respostas...

Anónimo disse...

n sei se os terrenos poderam ser vendidos a seguir. Estes terrenos foram dados para o hospital e só podem ser utilizados para esse fim. Os terrenos do ex hospital na Praça do chile n foram vendidos por esse motivo.

Rodrigo Bastos disse...

Acho que estão a misturar as águas.

O argumento da mobilidade\alojamento (que já li em vários jornais) não me convence pois se realmente os existem, mais uma razão para a descentralização pois poderá patrocionar para uma melhoria dessas infra-estruturas na zona de Oeiras.

Isto já para não falar na zona em si, pelo facto de (caso os doentes tenham condições de saúde) poderem usufruir das condições de uma zona que é mais calma (comparando a Lisboa), propicia ao lazer e estão perto das praias que sempre dá para espairecer.

Quanto aos patos bravos, isso são outros quinhentos p'las agravantes que todos nós estamos fartos de saber e aí tal como sempre há (infelizmente:para não dizer algo pior) muitos interesses em jogo. É mais um exemplo que a CML aparentementa (reforço...aparenta) estar a dormir...

PS1: Infelizmente o IPO é um hospital central que não serve só a área Metropolitana de Lisboa.

PS2: Em termos de comboios estão muito bem servidos pela CP

PS3: O Isaltino pode ter feito coisas "menos claras" (ainda não confirmadas pela nossa "célere" justiça) mas uma coisa é certa, desde que é presidente da CMO aquela zona evoluiu bastante.

Rodrigo Bastos disse...

Para ajudar à festa:

"Cartaxo disponibiliza 12 hectares para acolher IPO"

http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?section_id=62&id_news=280191

"(...)tendo em conta que o processo está ainda em fase de decisão no Ministério.(...)"

A confirmar-se a efectividade destes processos de intenção, daqui a pouco o IPO têm de lançar um caderno de requisitos (para não dizer de encargos) pois parece que só por si o terreno poderá não um factor diferenciador e se Lisboa "entrar na corrida" já são 3 concelhos a querer. Onde estão os outros concelhos da AML e afins?

Isto não é nada mau para o IPO, pois teria a muito a ganhar e com ele os seus utentes (partindo do pressuposto que o Hospital também defenderá os interesses dos seus utentes).

Estamos a assistir à lei da oferta e da procura em acção.