terça-feira, 13 de fevereiro de 2007

Casas amigas do ambiente


Apesar das inúmeras vantagens, a esmagadora maioria dos edifícios construídos em Portugal não tira partido da arquitectura bioclimática.
Texto de Marisa Antunes

São edifícios energeticamente mais inteligentes e, acima de tudo, onde impera a comodidade térmica. Quentinhas no Inverno, frescas no Verão, sem problemas de acústica e ruídos, as casas construídas a partir dos princípios da arquitectura bioclimática só oferecem vantagens — mas, mesmo assim, ainda não conquistaram o espaço que deveriam ter no universo habitacional português.


“Não existe qualquer justificação para que um edifício elaborado de raiz com estratégias bioclimáticas se torne mais dispendioso ou esteticamente menos atraente que outro que não as incorpore. A eficiência energética começa logo na planificação, mais propriamente na fase de projecto, pois recorrendo-se aos princípios básicos da arquitectura bioclimática é possível, sem acréscimos de custos, conceber soluções que proporcionem de forma natura1 o conforto ambiental do edifício, tanto térmico como acústico ou de luminosidade, que de outra forma só seria possível actuando activamente sobre o edifício”, explica o arquitecto Jorge Graça Costa, que foi premiado no concurso de ideias de eficiência energética, ‘International Design Competition Osaka, Energy, Sustainable and Enjoyable Life’, organizado pela Japan Design.

Lívia Tirone, uma das maiores especialistas em arquitectura bioclimática em Portugal, reforça: “Quanto mais a montante e mais cedo se decide que é relevante a optimização do desempenho energético-ambiental do edifício, menos impacto tem esta decisão sobre o custo global da obra”.

Lembrando que “apenas a falta de conhecimento limita ainda adesão dos portugueses a este tipo de a arquitectura”, a responsável do atelier Tirone Nunes salienta que a opção pela construção sustentável tem vantagens inquantificáveis “no conforto e na saúde das pessoas, que por sua vez resultam num menor absentismo”.

Além da “maximização do conforto ambiental (térmico, visual e acústico), interior e exterior” , Livia Tirone destaca ainda a importância da “selecção dos a materiais tendo em consideração a sua durabilidade, (possibilidade de reutilização, reciclagem e impacte sobre a qualidade doar interior”.

Jorge Graça Costa exemplifica com o projecto Jardim de infância e escola básica do Alto da Faia, em Telheiras, da autoria dos arquitectos Jorge Conceição e Rui Orfão, no qual também ele colaborou e que acabaria vencedor do ‘Prémio DGE 2003 Eficiência Energética em Edifícios’.

Este edifício, com 3500m2 de área de construção e localizado numa colina, apresenta uma implantação triangular. “Na sua concepção manteve-se a morfologia do terreno, desenvolvendo-se o edifício sobre pequenas plataformas desniveladas, a fim de manter as cotas existentes e permitir usufruir da insolação e da amp1a vista que o local oferece”, aponta Jorge Graça Costa.

“O projecto da escola foi fortemente marcado pela de optimizar as condições de iluminação natural. Todas as salas de aula estão viradas a Sul, dispondo de amplos envidraçados com adequadas protecções solares interiores e exteriores, o que permite obter níveis de iluminação adequados e evitar situações de encadeamento, promovendo assim o conforto térmico e visual dos utilizadores”, pormenoriza. E lembra que o custo de construção por metro quadrado do edifício enquadra-se na média do custo de construção para aquele tipo de equipamentos.

Nos espaços de duplo pé-direito, além dos vãos a nível inferior foram instalados vãos envidraçados nas áreas superiores das fachadas, permitindo aumentar a profundidade da incidência solar no edifício. Nas fachadas Sul, as protecções solares horizontais permitem reflectir para o interior dos espaços alguma da iluminação natural. No edifício existem também pontualmente soluções de iluminação zenital.

Cuidados de construção que já estão a render. Mais precisamente oito mil euros por ano é o valor da poupança em sistemas de aquecimento e arrefecimento. “Este exemplo comprova que a introdução de estratégias passivas, de modo sensato, na elaboração do projecto de um edifício permite alcançar consideráveis poupanças energéticas”, conclui o especialista.

in Expresso de 9 de Fevereiro de 2007

2 comentários:

Pedro disse...

Iluminação zenital e eficiente comportamento térmico parece-me - à primeira vista e baseado apenas na frase dita - uma incompatibilidade mas os arquitectos lá saberão as linhas com que se coseram...

Anónimo disse...

O que foi dito é que existem PONTUALMENTE soluções de iluminação zenital, o que não me parece de forma alguma imcompatível.