segunda-feira, 4 de dezembro de 2006

Mercado das Galinheiras



Vale tanto a pena que nem imaginam! Todos os Domingos de manhã, desde madrugada até por volta das 14h. Encontra-se de tudo; verduras, fruta, produtos hortícolas. Excelentes, praticamente a preço de custo, directamente do produtor ao consumidor. Há quem venda pão saloio fresco cozido em forno de lenha, ainda quente. Também param por lá roulottes com queijos e enchidos, frangos assados, farturas. Mulheres carregadas com sacos cheios numa mão e os filhos pela outra fazem contas de cabeça, comparando preços, grupos de homens a discutir acesamente as incidências do jogo da véspera, com uma sandes de coirato e uma "mine" nas mãos, junto a uma das várias barracas de comes e bebes. Bancas de roupa, alguma aparentemente de marca..., um senhor que vende canários, periquitos e papagaios, outro que tem tachos que nunca mais acaba, outro que expõe quinquilharias, serras, chaves de parafusos e outras ferramentas cuja função estou longe de imaginar. Ciganas a vender perfumes, outros a vender filmes pirateados (três, cinco euros!), outros ainda aproximam-se aliciando-nos com um telemóvel, uma máquina fotográfica ou um fio de ouro. Vão e vêem. Muita, muita agitação; muita, muita vida. Um ambiente heterogéneo que vicia. Está sempre cheio, sempre animado, com gentes de todos os lados, de todos os bairros limítrofes. Não o troco por nenhum Carrefour ou Continente.





O mapa indica a vermelho a localização do mercado, e a azul um percurso possível desde o caminho pedonal junto ao Parque Oeste. A fotografia aérea está mais do que desactualizada, uns três anos, talvez. O que mostra também como isto cresceu e melhorou até hoje.

7 comentários:

joana disse...

Também uma paragem certa na minha manhã de Domingo! E como falhei as últimas 3 semanas, já estou com muitas saudades de produtos mais frescos...

Que tal se pusesses aqui o mapa com a localização, para quem não sabe bem onde fica? (de autocarro basta apanhar o 108 e sair onde há movimento).

Tiago disse...

Já está.

Anónimo disse...

Bom dia,

Será que alguém pode descrever como se vai para o mercado? indo da colina S. Gonçalo? é melhor ir de carro não? a pé parece-me que ainda é longe.
Obrigada

Anónimo disse...

Um artigo não fica bom por estar em letra impressa. Já tem de ser bom de raíz.
Hoje, no jornal de distribuição gratuita "Metro", na página 6, rúbrica "O que se diz de Lisboa", lá está o artigo do Tiago sobre o Mercado das Galinheiras.
Parabéns!

milton disse...

Vai-se bem a partir da colina S. Gonçalo. Uns 10 minutos a pé pelo percurso a azul no mapa. Existe um atalho mais curto que é ir pelas traseiras da colina S. Gonçalo, seguir pela Escola e passar ao lado dum bairro que foi reconstruido e ainda não está habitado que julgo chamar-se "Calvanas" mas não tenho a certeza. A diferença de percursos também não é muita.

Também achei o mercado das galinheiras bastante interessante.

Pedro Veiga disse...

É verdade! Este blog já aparece referenciado no jornal "Metro". A pouco e pouco vai ganhando um maior número de leitores o que é muito bom sinal!

sushi disse...

Felicito-vos por tão recheado mercado!
O de S. Tomás e Aquino tem o tamanho de um contentor das obras...
O da Pontinha era um luxo... um Mercado coberto!