sexta-feira, 17 de março de 2006

Jardins

Image hosting by Photobucket



Um dia gostaria de saber para que foram feitos os jardins e parques de Lisboa. Não, a sério, não é para que servem, é óbvio que um jardim, enfim, tem árvores e relva e coiso, um jardim, as pessoas, o ar puro, a poluição, a comunicação com a Natureza... Não é?

Pois, não sei, eu vejo os parques e jardins às moscas (moscas mesmo, estão sempre cheios de merda de cão) basta uma aragenzinha e ai meu deus que se me constipa o miúdo, vem cá brunofilipe!, toca tudo a calafetar portas e janelas, jardins e poças e lama, tocáfugir.

Continuar a ler

Voltando ao sério.

Os jardins foram feitos para neles passearem as gentes da cidade? Então porque não passeiam? Traduzo: se a intenção da Câmara é criar um espaço para as pessoas fruirem, porque é que não as obriga a lá estar?

Porque é que não os ilumina à noite? Porque é que não lhes dá segurança? Porque é que neles não instala bancos-poltrona confortáveis para uma pessoa se esparramar como se estivesse no sofá da sala?

Porque é que não acerta certeiros pontapés-no-cú dos donos dos cães que os levam em procissão a adubar as zonas verdes, as mesmas zonas verdes onde infantes em princípio de aprendizagem ensaiam passos e quedas?

[Intervalo para publicidade: a ex-paris-lisboa conseguiu a proeza de melhorar o que já era bom: agora é quase sempre jazz]

[90.4, pá]

Continuando. Os jardins de Lisboa estão, normalmente, vagos de gente, tirando os aglomerados de adeptos dos campeonatos de sueca patrocinados pela Segurança Social e os aglomerados de adolescentes que tentam pôr em práctica a matéria teórica das aulas de informação sexual. Isto na Primavera. No resto do tempo, folhas secas (das árvores; as provenientes do PCP estão a ganhar dinheiro na Iberdrola ou outra qualquer PME), poças de água, negrume.

Portanto: para que foram feitos os jardins e parques da minha cidade?

Veja-se o caso da Mata de Benfica.

Andei anos a ouvir este nome. No meu imaginário, era uma espécie de Monsanto dos pequeninos, uma Sintrinha à beira-casa, um segredo bem guardado, idílico espaço de descanso e prazeiteirice. Há umas semanas visitei-a, finalmente. Ia um bocadinho apreensivo porque não levava nem farnel, nem botas especiais, enfim nada daquelas coisas que um passeante experiente leva para esta coisa dos passeios a matas. Ainda bem!

É que a "mata" de Benfica é assim um bocado como se tem revelado o "MATA!" daquele senhor que parece que manda no Benfica: é mais o nome que os resultados... Na verdade, a "Mata" não passa de um cabeço orlado de árvores e ameaçado de patos-bravos de todos os lados que, de tão vazia, dá a impressão que, por detrás de cada árvore que passamos nos irá surgir um Heathcliff tresloucado uivando pelo seu amor perdido. Tem, no entanto, pormenores engraçados,

Image hosting by Photobucket



como este senhor que ninguém se interessou em me esclarecer quem foi (de facto, os jardins lisboetas são principalmente cemitérios de memórias oitocentistas)

Image hosting by Photobucket



ou este "chalet" em tijolo burro que parece desesperar por não ser pagode (e, talvez por isso, foi condenado a ser albergue de sanitários)

Image hosting by Photobucket



e que transporta nos alçados curiosas sínteses entre a estética das Caldas e a visão arte-nova do namoro.

Image hosting by Photobucket



Tem eucaliptos fabulosos, uma resposta da natureza portuguesa aos desesperos torcionatos dos maneiristas da primeira fase.

Image hosting by Photobucket



E estes pontos de fuga paradigmáticos: arquitecturas que envergonham o mais distraído, mercados que de tão alienados assumem formalmente a sua condição ovni, bancadas manhosas para manhosas expectativas de vida.

E, portanto, digam-me lá: para que raio se fizeram os jardins da capital?

3 comentários:

david disse...

Receio que os bancos com encosto, a relva livre de "adubo" e a iluminação não seja suficiente para quebrar o iman do sofá. Dou-te razão no que escreves, mas penso que mais forte que isso tudo são as "mentalidades sedentárias". O principal obstáculo neste caso, somos nós próprios.
Mas as coisas mudam. E o parque Oeste vai ser um exemplo na cidade. A sua forte utilização, de dia e de noite, vai facilitar a instalação dos equipamentos necessários. Eu acredito.

Tiago disse...

David, não sei se estou assim tão de acordo que seja "mentalidade sedentária" a razão de vários parques estarem vazios. O Parque das Conchas tem taxas de utilização muitíssimo maiores agora do que antes da reabilitação, e duvido que a mentalidade das pessoas tenha mudado assim tanto.

Já quanto ao Parque Oeste, se ficar assim como está, sem bancos e sem iluminação, acredito que se tornará em mais um dos jardins apenas para ser observado do que para ser utilizado. A configuração não é muito convidativa, num plano inclinado, longos passeios transversais, mas, até agora, sem equipamentos que fixem as pessoas. Parece-me pouco. Bonito, mas pouco convidativo. Espero bem estar enganado.

Quanto à falta de iluminação, que já me disseram ter a ver com o "conceito de jardim" que a arquitecta quis, parece-me completamente disparatado. Quem virá a pé do metro da Ameixoeira para casa?

david disse...

Temos os dois razão. É um caso semelhante ao: Quem veio primeiro, o ovo ou a galinha?
Utilizamos-Achamos insuficente-Protestamos-Não é feito, protestamos mais-É feito-mais gente usa. O parque das conchas era um autêntico descampado, sem o mínimo de condições. O parque Oeste apresenta o mínimo de condições.