quarta-feira, 7 de setembro de 2005

A SGAL actualizou o site!



Depois de cerca de dois anos de inactividade, o site da SGAL foi totalmente renovado. É uma atitude positiva por parte da empresa construtora da Alta de Lisboa, começando assim a reaproximar-se dos clientes, actuais e futuros, através do departamento de publicidade e relações públicas.

Devo dizer que não tive pessoalmente até agora qualquer razão de queixa da SGAL no processo da aquisição da minha casa. Pelo contrário, sempre se mostraram extremamente disponíveis e compreensivos perante alguns imprevistos de última hora que surgiram.

No entanto, no que tenho observado da relação da SGAL com os actuais moradores da Alta de Lisboa na resolução de problemas que surgiram durante a vivência na nova casa, e na satisfação das expectativas dos promitentes compradores quanto à assinatura das escrituras, as críticas têm sido muitas. Um pormenor sintomático da ausência de relação com o exterior era o único email disponível no site anterior estar inactivo, regressando à proveniência todos os emails para lá enviados.

As críticas que várias pessoas e blogs lhes fizeram foram duras, mas justas. Nunca procurámos degradar as relações, denegrir o projecto ou a empresa. Mas é necessário, para que o projecto possa realmente tomar forma e ser atractivo, que a comunicação entre pessoas e entidades envolvidas na Alta de Lisboa seja o mais franca, civilizada e honesta possível.

Há coisas na Alta de Lisboa que me seduzem intensamente, outras que me deixam apreensivo, mas só com vontade de todos, sem costas voltadas e cara feia, podemos melhorar a qualidade de vida de todos, os que foram realojados, os que vieram para cá morar, os que trabalham em empresas relacionadas com a construção e manutenção da Alta de Lisboa e que certamente não gostam de voltar ao fim do dia para casa com a sensação que o resultado do seu trabalho não está a ser apreciado.

Não depende apenas da SGAL, da CML e da UPAL o sucesso do projecto. Depende, muito, também dos moradores. Iniciativas como a limpeza da Alameda da Música são necessariamente simbólicas, não sendo exigível que sejam os próprios moradores, uma ínfima parte deles, que generosamente se ocupe dessa manutenção. Mas iniciativas destas têm um valor inestimável porque mostram que há interesse de humanizar as ruas, a vida das pessoas. No entanto, cabe às entidade criadas para esse efeito assegurar a manutenção dos espaços públicos.

Apesar do Verão tumultuoso que foi vivido na Alta de Lisboa, na crescente sensação de insegurança que os moradores têm vindo a sentir, é necessário ter coragem, ter esperança e querer qualidade de vida. E, em pequenas coisas como sair à rua para tomar um café, ir ao minimercado mais próximo, passear pela rua, sentir o bairro, se desvanece o medo, se esbate a diferença. Não é tudo, não chega, e há outros problemas mais profundos que necessitam intervenção séria, mas ajuda no dia-a-dia.

A renovação do site da SGAL é uma face visível da mudança de atitude do principal promotor da Alta de Lisboa. Tenhamos esperança que não seja uma mudança apenas superficial, de fachada, mas também uma mudança de atitude perante as pessoas que vivem na Alta de Lisboa.

3 comentários:

Manuel Teixeira disse...

Bom dia,

Acredito piamente que sinta plenamente tudo aquilo que escreve.
Quando assim é tal significa que todas as nossas expectativas foram cumpridas ou alcançadas.
O mesmo não posso dizer eu e todos os que juntamente comigo compraram apartamentos no lote 7.4, tais foram os incuprimentos por parte da SGAL no que se refere a todo o processo de aquisição e pós venda (resolução de problemas entretanto surgidos).
Da parte da SGAL só obtivemos indiferença e algum desprezo na forma como fomos tratados.
Nada, ou quase nada, até à data foi resolvido.
Já lá vão dois anos após as escrituras e os respectivos prédios ainda não nos foram oficialmente entregues. O problema do ruido continua e sem qualquer prespectiva de ser resolvido.
O problema das ventilações forçadas das cozinhas (famoso abertura na porta da cozinha) está para durar.
Os arranjos dos jardins entre os lotes 7.4 e 7.5 nunca mais acontecem, dando-nos assim a sensação de vivermos em plena selva africana.
Como vê caro vizinho (presumo que o seja) poderia aqui continuar o rol de problemas que os mesmos não teriam fim.
Acho que ficou com uma ideia dos problemas que a SGAL, com a sua falta de eficácia ou de vontade, foi criando ao longo dos tempos.

Quero com isto dizer, que não vai ser à conta de um site melhorado que vou acreditar que agora é que é.

Fico à espera de outras provas e depois logo se vê.

Não deixo de acreditar, mas...

Anónimo disse...

Basta que a SGAL deixe de olhar para a nossa Alta como um sítio onde se vendem casas, para um sitio onde vivem pessoas.

Tiago disse...

Caro Manuel Teixeira,

compreendo a sua revolta e irritação pelo incumprimento do contrato por parte da SGAL. Eu não disse que tudo estava a correr bem neste momento, apenas quis deixar uma nota de esperança que alguns problemas, como os seus, por exemplo, fossem resolvidos mais depressa e com uma consideração diferente de parte da SGAL para com as pessoas que nela confiaram.

Estou disposto a fazer eco das suas reclamações no blog, se assim o desejar. Contacte-me, se for esse o caso.

Cumprimentos,
Tiago