quarta-feira, 31 de agosto de 2005

Junta de Freguesia da Alta de Lisboa?


(Imagem retirada do site da SGAL)


E porque não, já que a Alta de Lisboa é um projecto pensado de raiz, com fronteiras bem definidas, com organismos (SGAL e UPAL) criados exclusivamente para construir e tratar de assuntos referentes a esta área urbana, pensar-se numa Junta de Freguesia da Alta de Lisboa?

Não pretendo ser bairrista e considerar mais importantes os assuntos da Alta de Lisboa do que os da Charneca do Lumiar ou da Ameixoeira. Mas parece-me que existem problemas comuns aos vários bairros que constituem a Alta de Lisboa, problemas de toda a espécie, fruto de uma drástica e repentina trasformação, que poderiam ser tratados de forma mais eficaz se os vários organismos envolvidos não tivessem um leque de preocupações dispersado noutros bairros com características sociais e urbanas diferentes. Relembro que a Junta de Freguesia do Lumiar, por exemplo, abrange não só parte da Alta de Lisboa, como também o Lumiar propriamente dito e Telheiras.

Não interessa que nome tem esta zona de Lisboa, se o nome Alta de Lisboa é apenas uma forma comercial de tornar mais atractiva ao cliente. A verdade é que se existe planeamento na construção de novos bairros em Lisboa é na Alta de Lisboa que o encontramos, e seria coerente criar uma organização celular (Hospital, Centro de Saúde, Super Esquadra, Escolas e Liceu, Junta de Freguesia) dedicada exclusivamente ao projecto.

Gostaria de recolher opiniões acerca desta hipótese. Se é vantajosa, se, por outro lado, poderá prejudicar os habitantes de outros bairros ou se não faz sentido de todo.

12 comentários:

José Rodrigues disse...

(Tomo a liberdade de repetir este comentário de resposta que tinha colocado no blog da AMAL)

Concordo. Mas é um assunto que como sabe tem sido adiado por todos os executivos da Câmara, seja a criação de novas ou a fusão de algumas, o tema é sempre adiado. Quase todos concordam que é preciso fazer algo mas pouco se faz. Este tema é sempre muito falado no período de campanha depois é abandonado.

Penso que devemos estar atentos aos desenvolvimentos mas penso tb que nesta fase temos que unir esforços (seja Lumiar, Ameixoeira ou Charneca) para pressionar os organismos responsáveis a agir num conjunto de assuntos urgentes e comuns.
E talvez com alguma "criatividade" (não encontrei outra palavra) se possa não ficar dependente desta ou daquela freguesia. Até pq em muitos aspectos as Juntas de Freguesia têm poucos poderes.

Quanto a Telheiras é verdade (tb eles gostariam de ser JF) mas se reparar Telheiras e parte de Carnide em alguns aspectos estão unidos, são um espaço contínuo no entanto acredito que existem residentes em Carnide que pertencem à associação de residentes de Telheiras. Penso que a dinâmica de uma organização é que é importante. Se formos dinâmicos os residentes desta zona acabam por nos procurar seja Associação de ALta ou de Alto, ou Centro, etc

Pedro Veiga disse...

A criação de uma nova Junta de Freguesia depende muito dos poderes políticos. Não sei se as actuais freguesias representadas na área de intervenção da SGAL estão interessadas em perder parte do seu território (e dinheiro), para uma nova freguesia. De qualquer forma a ideia é muito interessante desde que não marginalize as zonas vizinhas. Aliás, para que a Alta venha a ser um bom local para se habitar é necessário e urgente fazer a sua integração na malha mais antiga, aspecto que tem sido muito descurado!

Tiago disse...

Caros José e Pedro,

obrigado pelos comentários. A questão do bairrismo é o perigo desta mudança. Não faço a mínima ideia se as Juntas de Freguesia existentes sairíam prejudicadas com a nova organização, e consequentemente as populações residentes. Se assim for, terá de se deixar tudo como está, ou procurar uma solução melhor para todos.

A minha ideia da JF da Alta de Lisboa nem era perpectiva de nos favorecer, muito menos em detrimento de outros. Só coloquei a hipótese de todos os processos burocráticos com instituições serem mais simples e rápidos.

Como se poderia fazer a integração com a malha mais antiga?

José Rodrigues disse...

Vão iniciar umas obras na Rua Pedro Queiróz Pereira...não sei o que são mas espero saber amanhã ...talvez destinadas à consolidação e arranjo das escadas de acesso - benditas eleições! :)

Esta rua faz parte da malha antiga e fica junto ao Bairro da Cruz Vermelha, do Condomínio da Torre e do Parque S. João de Brito. Penso que atenção a estas situações, o seu conhecimento e a exigência para a resolução dos problemas existentes é uma forma de nos sensibilizar para o todo (novo e antigo), e demonstrar uma preocupação com todos os habitantes do Bairro. E permite-nos em futuras reuniões (espero!) com entidades responsáveis demonstrar que sabemos onde vivemos e os problemas/dificuldades/necessidades deste Bairro.

Anónimo disse...

Portugal tem juntas de freguesia a mais.
Os nossos impostos sao gastos nos salarios de milhares de funcionarios publicos.
E preciso fazer os funcionarios que temos aumentarem a sua produtavidade.
Chega de Juntas.
As existentes devem colaborar.

Tiago disse...

Esse é um ponto de vista importante, também.

Ricardo Soares disse...

Penso que é possível criar uma junta da Alta e ao mesmo tempo reduzir o número de juntas em Lisboa. As juntas de maior dimensão (Lumiar, Olivais, Benfica...) contam com 50 mil ou mais habitantes cada sendo que a do Lumiar poderá contar com cerca de 75 mil dentro de poucos anos. Por outro lado temos diversas juntas com menos de mil habitantes o que é ridiculo. O concelho de Lisboa conta com cerca de 700 mil habitantes e 53 freguesias. Se as entidades competentes tiverem vontade será possível reorganizar as juntas por forma a que cada uma tenha cerca de 20 a 25 mil habitantes reduzindo o seu número para 28 a 35.

jvieira disse...

As juntas não me parecem ser demais (ainda mais uma que poderia vir a ter 40.000 habitantes + pessoas que irão lá trabalhar), o que é demais em Portugal são os municípios. Odivelas, Amadora, Loures, Sacavém, qualquer um deles já deveria pertencer a Lisboa.
Com 10.000 assinaturas das pessoas que vivem na Alta de Lisboa um ano antes de eleições dúvido que qualquer concorrente à Câmara não aceitasse um acordo nem que fosse verbal.

Tiago disse...

Obrigado, Ricardo. Para que tenham uma ideia, as JF da Baixa, por exemplo têm o seguinte numero de eleitores:

Madalena:417 eleitores
Mártires: 388 eleitores
Sacramento: 957 eleitores
Santa justa:824 eleitores
São Nicolau:1214 eleitores

Pedro disse...

Caro JVieira, não querendo abusar da sua boa vontade, podemos contar consigo para organizar esse abaixo-assinado? Concerteza que outros, onde tb me incluo, estariam dispostos a colaborar.

jvieira disse...

Eu não tenho problemas em assinar o baixo assinado.

jvieira disse...

...e de ajudar na organização. Mais uns anitos e conseguimos as assinaturas, talvez antes das autárquicas seguintes a estas.