sexta-feira, 6 de julho de 2007

Mais um rival do CanaLta 17b!

Foi descoberto mais um video sobre a Alta de Lisboa, desta vez alusivo à famosa e sebastianica Malha 5, um enorme complexo comercial, habitacional e de escritórios da autoria do Arq. Tomás Taveira. Seguramente mais uma encomenda da SGAL, colocada online talvez antes de tempo, mas o Viver, consciente da avidez dos seus leitores por infomaçãozinha actual e pertinente, antecipa-se ao site oficial na divulgação de mais estas imagens.

Desta vez a música já é outra, deixando o espectador dividido entre uma incontrolável vontade de invadir a Polónia (a piada não é minha) ou fazer surf nas ondas nas praias do Vietnam. Quanto ao projecto, à arquitectura, pronunciem-se os leitores. Damos voz à vossa opinião.


14 comentários:

Anónimo disse...

Muito colorido, sem dúvida muito colorido. Faz lembrar as Olaias.

Joana disse...

Quando é que começas a por os videos no google? Eu aqui tenho o youtube barrado!

Tiago disse...

Já não chegava a exigência de um ou outro leitor com o tom e teor nos nossos textos, agora vêm os próprios colaboradores com caprichos técnicos.


Este video não é meu, Joana. Vês em casa, está bem? Eu não dizia que os nossos leitores são ávidos de novidades?

susana disse...

Isto à entrada da Alta dá um mau aspecto descomunal!

Ver as obras que nunca mais acabam até se compreende, porque é sinal de que um dia (não se sabendo bem quando) estará concluido e bonito.

Agora isto!

Pelas imagens do Hotel com os neons avariados parece que chegámos a uma Las Vegas abandonada e aquele pavimento azul no contorno de um dos quarteirões (re)lembra aqueles prédios magnificos da Calçada de Carriche mas flutuando sobre águas paradas...

Ver estas imagens nem me faz prestar atenção à música, mas lembro-me de ver a música associada ao Fantasia e achar muito mais apropriado.

Pode ser que também isto seja uma fantasia (suspiro!)

Pedro Veiga disse...

Isto com Wagner deveria ser a banda sonar de um pequeno filme sobre a actividade dos putos da Alta.
Em grupos, correndo e saltando, dão pontapés, atiram pedras, arrancam árvores, deitam fogo, despejam extintores, riscam paredes e automóveis, urinam no chão e gritam, gritam bem alto e em bom som usando um calão de primeira categoria!
Quanto ao empreendimento, penso que deveria ser reformulado e ajustado à realidade da actividade imobiliária em Portugal. Corre-se o risco de ser grande demais para a procura actual. Espero que os responsáveis tenham uma gota de bom senso. Leiam os documentos sobre o rebentar da bolha da especulação imobiliária! Está tudo na internet, é só procurar!

Pedro disse...

Há muitos anos, assisti numa revista do Parque Mayer a uma das últimas actuações de um velho compere. Não percebi se a audiência se ria dos gags por acomodação ou por piedade - de toda a sua actuação emanava um cheiro a mofo, a tiques demasiado usados, a uma repetição ad nauseum do que tinha tido sucesso há muitos anos, a um tempo há muito morto e a que esse mesmo artista se agarrava porque não possuia nem capacidade nem audácia para inovar.

Olho para esta promessa de arranjo arquitectónico e volto a ver esse mesmo artista fora do tempo a repetir piadas gastas e a procurar cumplicidades grosseiras.

Taveira sempre fez sua a arquitectura dos outros: não é preciso procurar muito para encontrar as versões originais que inspiraram as várias vertentes das Amoreiras ou o prédio do IADE, por exemplo. Quando não reformulava os outros, Taveira autocitava-se: o BNU ou o prédio do IVA acentuando as "trouvaille" das Amoreiras, o rearranjo dos prédios de Chelas levando ao extremo a utilização da côr experimentada nas Olaias, os estádios de futebol tentando ser um pós-pop do pop em versão Memphis que a certa altura reivindicou.

Aqui Taveira parece ter pegado em tudo e feito um pot-pourri: o hotel parece o Altis das Olaias, existe a mesma concepção de arquitectura-Lego de Chelas, tudo parece muito feito para espantar o burguês, tudo é muito arquitectura video-wall, para esgotar... mas como deitar fora?

Deve a arquitectura diária ser excessiva? Deve aquilo que é feito para durar pelo menos 50 anos (tempo de vida médio de uma estrutura de betão) ter esta excessividade para o olhar e para os sentidos? Será confortável ter a toda a volta uma MTV em pedra e vidro a emitir 24/24 horas ?

Compreendo que uma versão nacional da Times Square possa trazer algum alento às vendas quando vendido no papel ou, como parece ser o caso, em versão gerada por computador. Mas corresponderá a realidade às expectativas dos promitentes compradores? E quanto aos vizinhos - quanto tempo demorarão a queixar-se da violência visual que lhes depuseram à porta?

Perguntem aos habitantes de Chelas se gostam de viver naquelas coisas coloridas...

Rui disse...

Engraçado.Muito alegre mas também muito concentrado.Acho contudo que após a finalização ficará *****.
Esperemos que seja possível o arranque desta malha o mais rápido possível.
A título experimental a SGAL poderia colocar a toda a volta desta malha uma faixa para bicicletas.
É necessário começar em qualquer lado.

Anónimo disse...

"Oh, arquitecto! Isso faz um mal terrível."
Não sejam caretas, as obras do Taveira são bem giras e alegram esta cidade cinzenta.

RVB disse...

Isto faz lembrar as Olaias

oásis do deserto disse...

Pobre miséria...
Reabilitação urbanística,...,Arquitectura,...
blá blá blá...falam falam falam...
mas não os vejo...

...tão pobrezinhos...é um deserto..

lavem aqui os vossos olhos...


www.giancarlozema.com

Rodrigues disse...

Que coisa tão grosseira... O_o
Então vai ser isto a entrada da Alta?...

(E que raio de orquestra é esta? Podiam ter escolhido uma interpretação melhor, caramba...)

Sofia disse...

A escolha da música é realmente hilariante! E são cores a mais para os olhos de qualquer pessoa...

Não sei muito sobre este lugar em Lisboa e os seus problemas, mas prometo a partir de agora estar mais atenta ao vosso blog.

Anónimo disse...

É para chorar! Porque não levam o projecto para a OTA? é demasiado mau para ser verdade. Não acredito que a SGAL faça construções a lembrar o que de pior se fez em realojamento no Porto e em Lisboa. As cores é para afastar os pombos???
Peçam uma auditoria ao departamento de Estética da Univ de Lisboa, lançem uma poll para votação universal no google, uma peregrinação a Fátima, um apelo a Marte, mas digam-me que é mentira!!!

Anónimo disse...

Que susto!!! É realmente muito feio, o que aliás não é de estranhar vindo do Taveira...

Quase que prefiro que a zona se mantenha no actual matagal... sempre é menos feio que isto...

Não seria de fazer um abaixo assinada para a SGAL desistir deste projecto arquitectonico???

Este projecto faz toda a Alta de Lisboa parecer um gigante PER...!!!