terça-feira, 10 de julho de 2007

A Alta de Lisboa é mais conhecida agora do que há dois anos?

Para quem ainda se lembra, nas últimas eleições autárquica que deram vitória a Carmona Rodrigues, numa lista do PSD que não resistiu às sucessivas constituições de arguido dos seus vereadores, quase nada se falou da Alta de Lisboa. Poucos candidatos passaram por cá, pouco conheciam da Alta de Lisboa, limitando-se aos chavões tipo "um excelente exemplo de reinserção social", sem fazer a menor ideia se de facto estava a funcionar, se havia atrasos, se antigos e novos moradores comungavam da mesma opinião.

Passados dois anos, com esta massa crítica que cresce, o aparecimento da ARAL, o crescimento do Viver, a assunção, divulgação e trabalho realizado pelo GCAL, a Alta de Lisboa passou a fazer parte do mapa político das várias candidaturas, resultando em visitas a convite da ARAL, a convites à participação de colaboradores do Viver para esclarecimento à comunicação social.

Muita coisa boa, apesar do notório e lamentável incómodo que esta participação cívica causa nas cúpulas da UPAL e SGAL. Um dia será unânime que o mais importante de uma cidade são os moradores e utentes e não as entidades. Um dia será da consciência colectiva que as entidades só fazem sentido pelas pessoas. Tenho a certeza que quem trabalha no Centro Social da Musgueira percebe isto à primeira, mas duvido que uma ideia tão simples seja um leitmotiv na SGAL e UPAL. Infelizmente para nós, moradores. Infelizmente para eles, que se sentem verdadeiramente ofendidos, embora sem razões defensáveis pela razão.

Serve este post para linkar de seguida todas as referências que surgiram na comunicação social nos dias mais recentes, ilustrando um prazer cívico e orgulho de aos poucos conseguirmos formar (todos os referidos que são a favor da cidade e ainda os leitores) um movimento heterogeneamente organizado de defesa dos interesses da população. Não lancemos porém os foguetes ainda. Visitas em tempo de campanha são tão habituais como o esquecimento e distanciamento posterior à noite eleitoral, mas a diferença de há dois anos para cá faz-nos pelo menos sentir optimistas.

27 Jun - Sol - Telmo Correia alerta para falta de creches
5 Jul - JN - Unir diferenças na Alta da Cidade
6 Jul - JN - Três Cidades...

2 comentários:

Anónimo disse...

Sim Tiago há uma grande diferença! Sentimos que o Alto do Lumiar está na Agenda e que os candidatos ,pelo menos, conheceram o território ouviram e já conhecem. Vamos ver como será depois de Domingo mas, uma coisa tb tenho certeza, muito dependerá de nós que aqui vivemos se nos continuarmos a fazer ouvir .
Isabel

João disse...

Olá Boa Noite

Na Verdade esta Zona Sempre foi visitada por candidatos à Câmara Municipal de Lisboa, era eu pequeno vivia na Musgueira Sul e sempre me lembro das caravanas e dos vários Politicos da Direita a esquerda algumas vezes em clima de Festa outras vezes nem por isso eram recebidos com tomates. isto é Verdade.

Na verdade esta Zona tem cada vez mais pessoas a falar sobre o Alto do Lumiar e ainda bem, pois eu penso que todos somos poucos.

Na verdade, existe e ainda bem o Viver, existe ARAL, existe A.M Calvanas,Existe A.M Galinheiras; A.M Almada Negreiros, A.M. Casal Vista Alegre,A.M. Per 11, Existe A.M. BCV Lumiar e entre outros fazem parte deste Todo.

No caso da Ultima Associação de Moradores da BCV sempre foi visitada por Candidatos da Direita a Esquerda, e depois ?

Fala um pouco a experiência e DEPOIS????

Na verdade e preciso bastante
trabalho para conseguir pequenas Vitórias.

Na verdade e preciso ir a fonte varias vezes para partir o caneco.

Na Verdade, não tenho duvidas que esta Zona vai ser diferentes mas é necessário o trabalho de Todos

João carlos AMBCVL