quarta-feira, 13 de dezembro de 2006

Jornal METRO refere abandono da CML



Foi publicado no jornal METRO, na 2ªfeira passada, um pequeno artigo sobre os atrasos da CML na Alta de Lisboa, projecto que resulta de uma parceria entre CML e SGAL e cuja viabilidade depende da procura de novos moradores. O jornal METRO tem uma tiragem diária de 180.000 exemplares. Para lerem a notícia, basta clicar na imagem.

13 comentários:

Pedro disse...

"Basta clicar na imagem" Tiago? E os binóculos?
Ou é do meu PC URSS ou a imagem é demasiado pequena para se perceber seja o que fôr que está lá escrito

Tiago disse...

O meu PC é ainda da primeira revolução industrial e dá para ler o texto. Podes fazer outra coisa: clicas na imagem, depois, com o botão direito do rato clicas de novo e gravas o ficheiro. A seguir, com um visualizador de imagem aumentas para poder ler.

Vê lá se dá.

sushi disse...

Com alguma dificuldade consegui ler...
Pode ser realmente um bom abananço, quiçá, para alguns outros jornalistas da área que possam fazer desta notícia, um artigo bem mais desenvolvido.

Bom pontapé de saída!

Pedro Veiga disse...

Eu tenho o número do jornal. Este blog é cada vez mais lido. Ainda bem!

Ricardo disse...

Há cerca de ano e meio andei à procura de casa. Na primeira visita à Alta de Lisboa parecia uma boa opção. A construção era fraquinha... mas pelo preço... (já vi pior bem mais caro). Numa das visitas seguintes comecei a reparar no "pessoal duvidoso" que frequentava a Alta (não sei se ainda é assim). Fiz uma pesquisa e reparei (ainda não sabia) que a Alta se localiza junto a alguns dos bairros mais problemáticos / perigosos da cidade. Desisti. Fiquei sempre com a ideia que a maior parte das pessoas não tinha a noção de onde se estava a meter. No entanto, parece que esse problema afinal não é grande... por outro lado, este outro (infraestruturas), também não esperava. E está a ganhar proporções bárbaras. Boa sorte para todos.

Anónimo disse...

Não vale a pena iludirmo-nos. O ambiente em torno dos prédios de venda livre não é, de facto, simpático.
Ainda na semana passada, passei pela situação constrangedora e aborrecida de saber que a pizza que encomendara não seria entregue à hora prevista, já que o rapaz da mota fora assaltado, na estrada do Condomínio da Torre, por três outros rapazes que lhe roubaram o saco, com a pizza, bebida e dinheiro...
O episódio terminou com a entrega da dita pizza por carro (por razões de segurança e à meia-noite e meia...quase três horas depois do pedido...).
É triste.

Pedro Veiga disse...

Esta não é só a realidade da Alta de Lisboa. Infelizmente as nossas cidades estão todas cada vez mais inseguras e, por vezes, acontecem situações desagradáveis onde menos se espera. Eu já fui assaltado por um indivíduo que me apontou uma pistola no centro comercial Monumental (Saldanha, Lisboa) a meio da tarde de um domingo, estando o centro cheio de gente e de "seguranças". Resultado: fiquei sem o dinheiro que trazia comigo acabado de levantar numa caixa multibanco. Não apanharam o assaltante...

Anónimo disse...

Concordo inteiramente. Mas acaba por ser "natural" esta tendência para nos sentirmos mais inseguros na Alta. É certo que ainda está a crescer e muito há ainda por fazer, nem estou arrependido da opção que fiz. Contudo, confesso que não gosto nada de ouvir que "este é um bairro perigoso e complicado"..é que não deixa de ter algum fundamento..

Pedro disse...

Se há problema que a Alta de Lisboa não tem, é a insegurança. Sinceramente, acho deveras mesquinho as referências à Alta de Lisboa como um bairro inseguro. Estou absolutamente convencido que o nível de segurança é muito superior há maior parte dos bairros lisboetas, incluindo bairros bem afamados como Campo de Ourique, Campolide, Belém etc...
Segurança total só em gettos para ricos -> condominios fechados.

João Tito disse...

Nunca me senti inseguro na Alta de Lisboa, provavelmente o número de assaltos na nossa zona e igual ou inferior aos assaltos noutras zonas da cidade.

Ricardo disse...

Peço desculpa pela ignorância, relacionada com a situação actual, mas a maior parte das casas da Alta de Lisboa não são condomínios fechados? Foi o que me pareceu quando por lá andei. Por aquilo que conheço, sentir-me-ia muito melhor de noite em Belém ou Campo de Ourique do que na Alta de Lisboa. Mas não conheço a fundo as realidades de todos os locais. De qualquer das formas, como referi, fiquei surpreendido por saber que afinal isso não é uma das principais questões (pelo menos para alguns moradores), considerando-a igual ou melhor que tantas outras. Quem sabe talvez um dia não passe por lá de novo para "ver o que sinto".

Anónimo disse...

Fico contente de alguns moradores partilharem da mesma opinião que eu sobre a segurança/insegurança da Alta de Lisboa.
Ainda agora estava a "passear" pela net e deparei-me com alguns comentários bastante tristes sobre o nosso bairro.
Vi-me obrigada a comentar.
Quem tiver interesse em ler poderá consultar os comentários do post "MathJogs" em http://condominiodatorre.blogspot.com/
Um grande bem haja vizinhos.

Anónimo disse...

pois é amigos, pois é ..., ve se memso que voçês sâo mesmo branquinhos nesta area.A Musgueria vence sempre!!.
O que nasce torto , tarde ou nunca se endireita, se voçes soubessem da genese deste local , não falavam tantas barbaridades, este projecto , não foi mais do que uma forma inteligente de enganar uns quantos para se ganhar uma pipa de massa ou se vneder gato por lebre, até o chines já deve ter reparado que foi engando , e que tirar o guito daqui.