quinta-feira, 4 de maio de 2006

Quem quer este parque infantil?



O parque infantil da rua Adriana Vecchi apresenta sinais de erosão estranhos para tão pouco tempo de vida. Para além do portão partido, é imenso o lixo espalhado no chão o que torna o local pouco convidativo.

Aparentemente este parque infantil não é de ninguém. A SGAL construiu-o, como tem feito com quase todos os equipamentos na Alta de Lisboa, ao abrigo do PUAL, mas a CML ainda não o recepcionou. Passam-se meses neste não lugar jurídico em que um espaço já não é privado mas ainda não é completamente público. Nesta situação estão também muitos outros espaços na Alta de Lisboa, como é maior exemplo a Alameda da Música.

Mas nem só de abandono vivem estes espaços. Há tempos um grupo de moradores do Condomínio da Torre meteu mãos à obra para limpar precisamente a Alameda da Música. Para limpar o que nunca devia ter sido sujo. Foram feitas duas limpezas com carácter assumidamente simbólico, querendo mostrar às entidades públicas (JF, UPAL e CML) que as pessoas estavam interessadas em melhorar o espaço público. Mas a inactividade destas entidades manteve-se, mesmo sabendo do problema em questão e das iniciativas de moradores.

Era bom que os moradores da Colina de S. João de Brito se juntassem para tratar deste parque infantil, se é que o usam, se é que o querem. Não é da sua obrigação, mas era um bom recomeço.

Quanto aos autarcas, é preciso muita paciência:

Junta de Freguesia do Lumiar - Estrada da Torre, 19
Telef - 21 7541350
Fax - 21 7541360
E-mail - jflumiar@mail.telepac.pt



P.S. Foi-me entretanto dito que a Alameda da Música terá sido finalmente recepcionada pela CML no dia 28 de Abril de 2006. Só reforça o que digo: Desde 2 de Outubro de 2004 a 28 de Abril de 2006 passou mais de ano e meio. Nada mal para tratar de uma burocracia. Andamos bem, assim...


Por outro lado, recebi também um link a não perder. Um exemplo de como se as pessoas se juntarem podem fazer da cidade um espaço melhor para viver. Só falta depois perceber para que serve mesmo ter 10000 (dez mil) funcionários na CML.

3 comentários:

Rodrigo Bastos disse...

Isto acaba por ser um misto de má utilização e má manutenção. Se olharmos bem para a Alta de Lisboa, a maior parte dos espaços verdes e equipamentos comuns não estão a ser alvo de manutenção efectiva por parte das instituições competentes.

sushi disse...

A propósito do trabalho voluntário dos moradores, em Londres tinha a minha irmã um aviso na porta, que dizia, qualquer coisa como:
"No dia 21 de Abril estaremos a colocar flores nos canteiros públicos. Quem quiser flores no seu canteiro, traga-o até nós."

Só tive pena não ter tirado uma fotografia...

Ana Louro disse...

Obrigada pelo apelo, Tiago. Vamos ver se a ideia vinga.