quarta-feira, 4 de janeiro de 2006

Jogo da Malha

O meu filho gosta muito de passar o tempo a encaixar umas coisas dentro de outras coisas mas, quando lhe damos para a mão um jogo de formas, próprio para o efeito, pouco liga.

Parece ser um sentimento transversal à idade este, de que algumas coisas, quando perdem a espontaneidade, perdem também a graça.


Quando vim viver para a Alta de Lisboa, costumava ver muitas vezes neste espaço - nessa altura um "terreiro" aberto - alguns senhores entretidos a jogar à malha. Fizeram-me lembrar o meu avô, que por acaso não jogava à malha, mas que me ensinou outros jogos de rua como o jogo do prego e a lançar o pião.

Algum tempo depois, este campo de jogo da malha foi dotado de "oficialidade": delimitou-se o espaço e colocou-se este cartaz a anunciar o seu propósito. E nunca mais vi lá alguém a jogar.


Tenho pena que não seja usado. Não é comum construirem-se campos de jogo da malha por aí. Por isso, apesar de não ter certeza sobre o destino pensado inicialmente, este parece-me ter sido um genuíno esforço de adaptação do projecto às pessoas, ao invés do habitual contrário. Um fruto da observação da utilização espontânea do espaço pelos moradores. E este tipo de iniciativa merecia ter mais sucesso.

Pode ser que eu esteja errada. Que seja o inverno a manter os jogadores em casa, ou eu é que não passo por lá às horas certas. Espero que seja isso.

4 comentários:

Pedro Veiga disse...

É muito interessante e muito positivo a adaptação dos espaços públicos à sua utilização prática.
Na zona norte, ao lado da rua Tito de Morais, também há jogo da malha, mas em terrenos não oficializados.Também há jogos de cartas e dominó. Se calhar se oficializarem os locais a espontaniedade perde-se. Será?

joana disse...

Se calhar perde... Analisar o porquê disso, daria pano para mangas. Mas até acho que deveria ser feito, para q estas iniciativas funcionassem a sério. Mas são boas iniciativas, pelo menos em intensão, e não quis deixar de salientar que adaptar os projectos às pessoas é sempre um melhor princípio do que esperar que sejam as pessoas a adaptarem-se aos projectos.

Rodrigo Bastos disse...

É interessante ver num placar da GEBALIS: "Bairro Alta de Lisboa Sul" :))

É Onde fica a Rua Tomás del nero(negro)??? hehehehhee

Rodrigo Bastos disse...

Agora mais a sério :). Também eu me apercebi que desde que se colocou a vedação nunca mais ninguém o utilizou (pelo que eu desse por isso).

Acho muito positivo que tenham criado um espaço para a prática de um desporto tradicional, mas, é necessário ter-se em atenção que se este espaço não for utilizado não se irá conseguir justificar no futuro a existência do mesmo.