domingo, 10 de julho de 2005

Paragens de autocarro sem protecção



As paragens de autocarros da Avenida Kruz Abecassis, por onde passam as carreiras 17, 77 e 108, são meros postes de localização sem guarida. No Verão, com temperaturas altas e sol abrasador, ou no Inverno, sob a intempérie, são locais, no mínimo, muito pouco convidativos.

Cada vez é mais urgente discutir e alterar hábitos de transporte. Os níveis de poluição são altos, o preço dos combustíveis sobe em flecha, a qualidade de vida com o aumento do tráfego automóvel diminui. A solução é um investimento sério e rápido numa boa rede de transportes públicos, que seja rápida e eficaz, com grande área e densidade de abrangência. Sem isto é difícil convencer as pessoas a abdicar do automóvel particular.

A imagem acima é uma prova de que este investimento não existe. Ou então que a preocupação da Carris com o conforto dos utentes só existirá quando os moradores de classe média/alta começarem a habitar os condomínios mais próximos destas paragens, Colina de S. Gonçalo, Condomínio do Parque e Jardins de S. Bartolomeu, porque, por enquanto, as paragens apenas servem moradores dos PER.

10 comentários:

Rodrigo Bastos disse...

Na minha opinião de leigo penso que a razão estará no facto da via e os respectivos passeios ainda não estão terminados. As paragens da estrada da torre também infelizmente nas mesmas condições.

Será sempre interessante saber qual a razão apontada pela Carris para as parcas condições que dão aos utentes na referida paragem.

Tiago disse...

Também pensei nisso, Rodrigo, mas não seria possível colocar lá uma cobertura, mesmo que provisória? Aquela parte da avenida será cruzada pelo Eixo Central. Essa obra não será feita em menos de um ano, e parece-me que não se justifica a espera com o desconforto dos utentes.

Rodrigo Bastos disse...

Por isso gostava de saber qual a versão da Carris...

A situação torna-se mais caricata, desde o momento em que Carris tem o cuidado de colocar a "placa" a indicar o local da paragem mas não tem em conta o bem estar dos seus utentes durante o tempo em que esperam pelos seus serviços.

Aparentemente são estas as condições minimas que a Carris dá para este tipo de situações. Em termos de qualidade deixa muito a desejar.

Tiago disse...

Proponho um desafio: cada um de nós escreve um pedido à Carris, através do site www.carris.pt, depois Contactos, depois Reclamações e Sugestões. Expomos a situação, se quiserem citem o post para que eles vejam a fotografia, e veremos em quanto tempo temos a situação resolvida. Não se esqueçam que a estação da Musgueira fica a menos de 500 metros do local.

Tiago disse...

Eu acabei de enviar o meu pedido de esclarecimento. Copiei os dois primeiros parágrafos e anexei o link.

E fui simpático com eles, claro! :-)

Tiago disse...

Só agora vi que o Rodrigo já tinha feito o mesmo há umas horas atrás. Somos dois, assim!

lcf disse...

Poix... convém esclarecer que a colocação de abrigos não é da responsabilidade da Carris; há uma empresa (a JCDecaux ou outra do estilo) que trata disso. Normalmente a Carris informa quando há alteração de localização das paragens (essas em particular foram alteradas há dois meses, no sítio antigo tinham abrigos) e demora sempre um tempito até os abrigos estarem colocados.

Provavelmente vocês não se lembrarão, mas há dez anos atrás a excepção era as paragens terem abrigos. Actualmente (as últimas estatísticas que vi eram de 2003) mais de 90% das paragens têm-nos; os outros 10% correspondem a paragens só de descida, provisórias ou muito recentes (como esta).

Rodrigo Bastos disse...

A JCDecaux não é sub-contratada pela Carris?

Rodrigo Bastos disse...

Soube hoje que quem instala estes equipamentos é a câmara, agora não sei é se são eles que (directamente) subcontratam a JCDecaux... Estamos sempre a aprender :)

Anónimo disse...

Para quem é bacalhau basta